Número de queixas em juizados de aeroportos cai 67%

Já percentual de acordos, em relação ao total de reclamações, aumentou do Carnaval para a Páscoa

Carolina Freitas, Agência Estado

24 de março de 2008 | 19h06

A volta à normalidade nos aeroportos brasileiros, depois de meses da crise aérea, refletiu no número de reclamações contra companhias de aviação aos Juizados Especiais Cíveis (JECs) nesse feriado de Páscoa. Nos aeroportos paulistas de Congonhas e Guarulhos foram registradas 30 queixas entre quinta-feira, 20, e domingo, 23 - número 67% mais baixo do que o do feriado de carnaval (91 atendimentos).   Em Congonhas, foram 12 reclamações na Semana Santa, contra 47 no carnaval, uma redução de 74,5%. Em Guarulhos, as 18 queixas na Páscoa representam queda de 59,1% em relação às 44 do feriado anterior.   Os juizados especiais foram instalados em cinco aeroportos, em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, em outubro do ano passado, com a missão principal de facilitar acordos entre passageiros e companhias aéreas em casos de atrasos e cancelamentos de vôos. No feriado de Nossa Senhora Aparecida, em 12 de outubro de 2007 - o primeiro depois da implantação dos JECs -, foram recebidas 64 queixas em Congonhas e Guarulhos, sendo que 24 resultaram em acordo.   Acordos   O percentual de acordos firmados nos juizados especiais paulistas, em relação ao total de reclamações, aumentou do carnaval para a Semana Santa. Enquanto no carnaval os mediadores de Congonhas e Guarulhos resolveram 16,5% dos casos, na Páscoa, eles obtiveram êxito em 30% dos casos - número próximo aos 37,4% de conciliação em 12 de outubro do ano passado.   O maior índice de solução na Semana Santa aconteceu em Congonhas, onde 33,3% das reclamações resultou em acordo. Em Guarulhos, a relação entre queixas e acordos ficou em 27,7%.

Tudo o que sabemos sobre:
aeroportoscrise aérea

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.