Nuvens de vulcão diminuem no RS, mas atrapalham voos

A presença de nuvens de cinzas expelidas pelo vulcão chileno Puyehue diminuiu no Rio Grande do Sul, após ocupar cerca de 70% do território do Estado durante a madrugada. As informações foram divulgadas nesta manhã pelo Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA), da Força Aérea Brasileira (FAB).

PRISCILA TRINDADE, Agência Estado

10 Junho 2011 | 08h57

A camada de nuvens vulcânicas em boa parte do céu gaúcho está concentrada entre 7 mil e 10 mil metros de altitude e continua se deslocando para o norte, rumo a Santa Catarina. Também existe a possibilidade das nuvens seguirem para o Oceano Atlântico, caso sejam mantidas as atuais condições meteorológicas. O CGNA tem coordenado desvios para que as aeronaves voem acima ou abaixo da camada de nuvens vulcânicas.

A TAM cancelou seus voos para Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, a partir das 21 horas de ontem até as 10 horas de hoje. A companhia também continua com seus voos suspensos para os aeroportos de Buenos Aires e Montevidéu, no Uruguai, pelo menos até as 12 horas de hoje. Nesta madrugada, a GOL informou ter cancelado o voo 1376-1577 (trecho Joinville - Congonhas) com partida programada para hoje, às 8h16, devido ao avanço das cinzas do vulcão chileno sobre o espaço aéreo brasileiro.

Mais conteúdo sobre:
aeroportos vulcão voos Porto Alegre RS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.