'NYT' vai começar a cobrar pelo acesso a conteúdo na web

A partir do ano que vem, jornal vai fechar o acesso, mas modelo de cobrança ainda não está definido

Efe, O Estadao de S.Paulo

21 de janeiro de 2010 | 00h00

MODELO - Internautas ainda terão acesso gratuito a alguns artigos

NOVA YORK

O jornal The New York Times vai começar a cobrar, a partir de 2011, uma quantia, ainda não estipulada, dos leitores que com frequência acessam o seu site. A cobrança pelo acesso ao conteúdo eletrônico da publicação foi anunciada ontem pela companhia que edita o jornal. A empresa informou, porém, que alguns artigos continuarão sendo oferecidos de graça aos internautas.

Com a medida, o New York Times se junta a outros veículos da imprensa americana, como o Wall Street Journal, que já cobram tarifas aos leitores de seus sites. "Este anúncio nos permite pensar qual será o processo que aplicaremos e com o qual muitas das perguntas que agora nos preocupam vão ser respondidas", disse o presidente da The New York Times Company e editor do jornal, Arthur Sulzberger.

Os responsáveis pela publicação estudam agora como será feita a cobrança. Por isso, evitaram dar detalhes do sistema que será adotado, mas disseram que quem visita o site do jornal terá acesso gratuito a um determinado número de artigos por mês. Só depois de esta quantidade ser alcançada é que o pagamento será necessário. Esse é o modelo que já é seguido, por exemplo, pelo britânico Financial Times, que vem tendo bastante êxito com suas operações na internet.

DEMANDA

Os diretores confirmaram ainda que os assinantes da edição impressa do New York Times terão acesso ilimitado ao conteúdo da internet. Também disseram que a oferta de artigos gratuitos poderá variar conforme "as condições econômicas e a demanda dos leitores".

"Trata-se, até certo ponto, de uma aposta no futuro para o qual a internet se encaminha", acrescentou Sulzberger, segundo quem a decisão anunciada ontem não vai mudar "a dinâmica financeira do jornal da noite para o dia".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.