Imagem Fernando Reinach
Colunista
Fernando Reinach
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O animal que inventou a gaveta

Abra uma gaveta na cozinha. Você vai encontrar diversos tipos ferramentas. Garfos, facas, colheres, raladores e muitos outros artefatos desenvolvidos pelo ser humano para facilitar o processo de obter, preparar e consumir alimentos. Imagine o custo de produzir essas ferramentas, as fábricas, as minas de metal, e o trabalho envolvido na sua produção. Agora volte para a gaveta, o lugar onde guardamos essas ferramentas. Sem dúvida uma grande invenção, pois permite que guardemos essas ferramentas, dispensando o trabalho de produzi-las cada vez que as necessitamos. 

Fernando Reinach, O Estado de S.Paulo

06 Junho 2015 | 03h00

Muitos animais usam ferramentas para facilitar a obtenção de alimentos. Mas cada vez que necessitam de uma ferramenta buscam uma nova no seu entorno. Agora, pela primeira, vez foi achado um animal que desenvolveu o conceito da "gaveta", um local para guardar suas ferramentas com o objetivo de reutiliza-las no futuro. E esse animal é o corvo da Nova Caledônia.

A Nova Caledônia é um grupo ilhas no leste da Austrália. Lá mora um corvo (Corvus moneduloides) muito estudado por ser o animal que usa ferramentas com maior frequência. Sua ferramenta preferida é um gancho feito a partir de um graveto. Primeiro ele procura um galho fino com uma bifurcação. Depois com o bico ele corta uma das ramificações da forquilha logo acima da bifurcação. A outra ramificação é cortada a 10 ou 15 centímetros acima da bifurcação. Feito isso ele corta o galho que dá origem à forquilha logo abaixo da forquilha. O resultado é um pedaço de madeira de 10 ou 15 centímetros de comprimento com um gancho na ponta. O corvo manipula esse gancho com o bico para fisgar larvas de insetos e outros animais de dentro de buracos. Mas o corvo tem um problema. Como não possui mãos, após fisgar a presa segurando o "anzol" com o bico, ele tem que largar a ferramenta para poder devorar a presa. E aí, o que acontece com a ferramenta? Até agora os cientistas achavam que ela caia no chão e tinha que ser recuperada ou reconstruída. Como é difícil observar um mesmo pássaro por muito tempo, isso era uma hipótese. Uma hipótese que se mostrou falsa, pois os corvos usam uma gaveta para guardar seus "anzóis" enquanto devoram a presa.

Os cientistas estudaram nove corvos capturados na Nova Caledônia. Cada corvo foi colocado em uma grande gaiola. Na gaiola foram colocados dois troncos. O primeiro tinha uma forquilha com a qual o corvo poderia construir seu "anzol". No outro tronco haviam 10 buracos e em cada buraco um pedaço de carne do tamanho de um amendoim. Para dificultar a tarefa do corvo, em metade dos buracos foi espetada uma pena no pedaço de carne. Para esses corvos o desafio é trivial, eles produzem o gancho e passam rapidamente a fisgar os pedaços de carne de dentro dos buracos. Os trocos foram apresentados aos corvos em duas situações, na primeira eles estavam no chão, na segunda em um galho a 1,30 metros do solo. A ideia dos cientistas foi verificar o que os corvos faziam com sua ferramenta entre fisgarem um pedaço de carne (e o devorarem) e fisgarem o segundo pedaço de carne. Os nove corvos foram submetidos a 176 experimentos, todos filmados. 

Para surpresa geral o que os cientistas descobriram é que em 84% dos experimentos os corvos tomaram cuidado em guardar os anzóis entre a fisgada de um bocado de carne e do outro. Somente em 16% dos casos eles abandonaram o anzol para comer a isca, deixando ela cair no chão. Nos casos em que eles guardaram os anzóis, em 74% dos casos eles prenderam o anzol sob os pés (como nós colocamos um instrumento no bolso) e em 26% dos casos eles procuraram um buraco e enfiaram a ferramenta no buraco (como nós colocamos um garfo na gaveta). Mas o mais interessante é que os corvos que estavam se alimentado em cima da árvore, e portanto o risco de perder o instrumento era maior (quando ele cai no chão muitas vezes o corvo não consegue localiza-lo e tem que produzir outro anzol) o corvo guardava o instrumento com mais cuidado (em um buraco). Os cientistas também observaram que quando os corvos necessitavam de mais manobras para ingerir o alimento (no caso das iscas com uma pena espetada), os corvos também tomavam mais cuidado com a ferramenta preferindo colocar o gancho no buraco.

Esses resultados demonstram que os corvos não somente são capazes de guardar suas ferramentas entre um uso e outro, mas são capazes de decidir onde é mais seguro guardar.

Quando abrimos uma gaveta para pegar um garfo não imaginamos quão sofisticado é nosso comportamento e muito menos imaginamos como surgiu esse simples comportamento ao longo da evolução. Por incrível que pareça até hoje não foi descoberto nenhum primata capaz de guardar e reaproveitar instrumentos, muito menos decidir qual a melhor maneira de guardar. É por isso que os corvos da Nova Caledônia merecem o título de descobridores da gaveta. 

Mais informações: Contex-depended "safekeeping"of foraging tools in New Caledonian crows. Proc. R. soc. B 282:20150278 2015

Mais conteúdo sobre:
Fernando Reinach

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.