O celular que eleva os padrões

A grande arma da Samsung contra o iPhone chegou ao Brasil semana passada. Depois de um lançamento mundial grandioso e muita expectativa dos fãs de Android, o top de linha da Samsung estreia no varejo brasileiro nesta segunda-feira.

O Estado de S.Paulo

11 Junho 2012 | 03h09

O S III é um smartphone de primeira grandeza: processador de 1,4 GHz de quatro núcleos, câmera de 8 MP e filmagem em HD 1080p. A tela é Super Amoled em alta definição e tem 4,8 polegadas (120 mm), 22% maior que o Galaxy S II. Tudo num aparelho que pesa 133g, sete gramas a menos que seu maior concorrente.

A experiência de software do S III é ligeira e prática. A resposta do touch é precisa, sem atraso. Tudo abre e fecha com rapidez. Atalhos na tela de descanso inicial permitem que se vá direto para a câmera ou para o telefone. Pelo reconhecimento de gestos, é possível ligar para um contato exposto na tela ou cortar o som de um vídeo.

Possibilidades de compartilhar conteúdo aumentaram. Um exemplo é a função "Social Tag", que reconhece rostos de pessoas cadastradas e facilita o compartilhamento da foto com elas. O Video Hub disponibiliza um acervo de 4 mil filmes, que podem ser assistidos em até cinco dispositivos diferentes.

Um dos aplicativos mais comentados do novo telefone não estará disponível inicialmente no Brasil. O assistente de voz, S-Voice, resposta do Galaxy à Siri do iPhone 4S, ficou para depois. A Samsung quer que ele fale português brasileiro antes de introduzi-lo nos modelos locais. Diferente do Siri que, mesmo não falando a língua local, está nos iPhones comercializados aqui. A Samsung espera oferecer a facilidade no segundo semestre.

Um ponto que a Samsung ainda não conseguiu acertar totalmente é o design. O S III não é feio, mas também não é bonito. Tem uma tampa traseira feita de um plástico que parece extremamente fácil de quebrar. O layout do sistema Android também fica atrás do iOS em matéria de estética e limpeza visual.

Por isso, vale a pergunta: é um aparelho capaz de balançar os fãs do smartphone da maçã? Difícil especular: boa parte dos fãs da Apple tem uma devoção muitas vezes sem lógica, dificilmente convencida por frios indicadores numéricos.

Mas talvez o ponto não seja "roubar" fãs da Apple, por mais que aquelas propagandas da Samsung que tiram sarro da fila da concorrente possam fazer parecer. O maior feito de um celular de excelente qualidade como o S III é que ele consolida a turma da oposição, a do Android. Quem não gosta da Apple agora tem uma máquina da qual pode se orgulhar.

Pela primeira vez, a empresa registrou filas numa Samsung Store à espera de um lançamento. É claro que existem muitos smartphones Android de boa qualidade em várias faixas de preço. Mas o S III equilibrou a competição como nenhum antes tinha feito. E isso é sempre positivo.

Produto y Samsung Galaxy SIII

Preço y R$ 2.099 (sugerido e sem operadora)

Sistema operacional y Android 4.0

Armazenamento y 16 GB, 32 GB e 64 GB (mais 50 GB de brinde no DropBox e entrada para cartão SD de até 64 GB)

Conectividade y Wi-Fi e 3G

Cores y Grafite e branco

Camilo Rocha | camilo.rocha@grupoestado.com.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.