Gilberto Oliveira Jr - Panelinha/Divulgação
Gilberto Oliveira Jr - Panelinha/Divulgação

O crescimento do bolo editorial

A Companhia das Letras pôs o pé na cozinha. Depois de 27 anos, a editora estreia na área culinária com o lançamento de um selo exclusivo para os livros de receita, o Panelinha. O negócio é fruto de uma parceria entre a empresa de Luiz Schwarcz e a chef Rita Lobo, criadora do site Panelinha. Os dois primeiros livros saem ainda este ano e a previsão é lançar seis por ano.   Serão todos livros de receitas, não de gastronomia, produzidos especialmente para o selo ou traduções. “Livros cujo conteúdo não pode ser encontrado na internet”, diz Rita Lobo, a responsável pelo selo. “A linha editorial é bem objetiva: receitas que funcionam.”

Patrícia Ferraz, O Estado de S.Paulo

15 Agosto 2013 | 02h51

Parece simples, mas garantir o bom resultado de uma receita envolve o trabalho de uma equipe, muitos testes, checagem e a padronização de medidas e procedimentos. Quem lê uma receita geralmente não se dá conta de que existe uma ordem de entrada dos ingredientes, e que uma receita boa facilita a vida do cozinheiro, racionalizando o trabalho. “Esse será um diferencial do selo”, diz Rita.

Com a experiência de quem publicou três livros na área, Rita conta que não pretende atuar apenas como editora, selecionando autores, nacionais ou estrangeiros. Vai trabalhar muito próxima dos autores brasileiros, como uma espécie de consultora especializada. “Senti muita falta disso quando lancei meu primeiro livro, Cozinha de Estar, em 2005”, diz. “Meu papel será ajudar o autor a transferir seu conhecimento, fazendo um livro acessível a todos – sem apagar a voz do autor, claro.”

O selo será lançado oficialmente em outubro com a publicação de Quando Katie Cozinha, que saiu em setembro de 2012 na Austrália e já foi publicado em diversos países. Katie Quinn Davies é fotógrafa profissional de comida, cozinheira amadora e autora de um blog de receitas de sucesso. O segundo livro do Panelinha, com o lançamento marcado para novembro, é Pão Nosso, do crítico de restaurantes do Paladar, Luiz Américo Camargo, um padeiro amador que faz pães profissionais – de fermentação natural. Em seu primeiro livro, ele ensina 50 receitas, entre pães de fermentação natural ou não, e pratos que podem ser feitos com as sobras do pão. Na lista de lançamento está também uma nova edição de A Comida Baiana de Jorge Amado, de Paloma Jorge Amado, e dois novos livros de Rita Lobo, que saem em abril.

Quando Katie Cozinha

Autor: Katie Quinn Davies é uma fotógrafa irlandesa  especializada em cozinha, que vive na Austrália e mantém o blog What Kate Ate, de receitas e histórias. O livro foi lançado em setembro de 2012 em inglês e já foi traduzido para o francês.

Pão Nosso

Autor: Luiz Américo Camargo é o crítico de restaurantes do Paladar, padeiro amador que faz pães profissionais. O livro terá 50 receitas de pães de diferentes estilos, de fermentação natural ou não, e pratos que levam o pão entre os ingredientes.

O crescimento do bolo editorial. O mercado editorial brasileiro na área de gastronomia experimenta um crescimento nos últimos anos. A entrada da Companhia das Letras no segmento é sintomática desse movimento. Outras grandes editoras já vêm lucrando com títulos especializados, como a Globo, que publica os livros do inglês Jamie Oliver no Brasil, e a Melhoramentos, que tem em seu catálogo volumes caprichados, como os de Ana Rita Suassuna ou Shin Koike.

A Senac São Paulo, que publica títulos ligados à gastronomia desde o início, em 1996, é referência na área. "Ano a ano, o crescimento é muito grande", conta Jeanne Passos, publisher da editora. Ela diz que houve um aumento de 157% do volume de vendas da editora de 2011 para 2012, sendo que os títulos de gastronomia acompanham esse crescimento, representando 18% desse total. "É uma questão econômica. As pessoas têm mais acesso à informação gastronômica, ficam mais curiosas, e procuram se aprofundar na literatura." E não apenas as grandes editoras têm se aproveitado do interesse do público pela gastronomia. André Bocatto, dono da editora Bocatto, especializada na área e criada em 2003, nota uma segmentação dentro do próprio segmento. "Hoje, temos títulos de receita, de formação técnica, de chefs renomados e outros mais amplos, de conceito gastronômico." / JOSE ORENSTEIN

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.