Tiago Queiroz/AE
Tiago Queiroz/AE
Imagem Luiz Horta
Colunista
Luiz Horta
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O drinque da rainha, pelo mixologista real

Sempre quis saber o que a rainha Elizabeth bebe. Pelo inteligente sistema de royal warrants, a atribuição da chancela real a produtos usados na corte (que vão de palha de aço a helicópteros e selas), fiquei sabendo das marcas favoritas da realeza. Há grande quantidade de vinhos e espíritos. Os mais famosos são os champanhes Bollinger e Tattinger, em que ela apenas molha os lábios nos brindes dos banquetes; mas há uísques, vinhos de sobremesa e... gim.

Luiz Horta,

01 de fevereiro de 2012 | 19h44

A rainha e o gim têm sido motivo de piada, há até um falso Twitter de Elizabeth Windsor em que ela anuncia "gin o’clock" com bastante frequência. Qual afinal o drinque favorito de Elizabeth II? Finalmente, o próprio Yeoman of the Cellar (uma espécie de guardião da adega, na prática o sommelier do palácio), Robert Large, que é francês, satisfez minha curiosidade. Executou o drinque de Sua Majestade em um programa da BBC, com todos os detalhes de preparo e a inconfidência: ela bebe um diariamente, antes do almoço.

Como na segunda-feira, dia 6, a rainha completa 60 anos de reinado, a coluna Glupt! pediu ao mixologista do Drink.Lab (www.drinklab.com.br), Marco de la Roche, que repetisse o drinque real. Aproveitei e pedi que fizesse uma reinterpretação do coquetel. Marco se animou. "É um drinque simples, bem clássico, porque mostra o que leva, sem muitos artifícios, e mostra o álcool, algo que não está em voga." Usou sua coleção de coqueteleiras e taças e explicou uma adaptação: "O problema para reproduzi-lo é que Dubonnet é difícil de achar no Brasil. O leitor pode substituir por Martini Rosso - não tem o amargo do quinino, mas funciona".

O que Marco criou, chamado "god save the drink", mexe respeitosamente na receita, com um toque de spray floral por cima, algo meio vitoriano.

Entendi o gosto da soberana. O resultado é leve, a quantidade de gim não é enorme. Serve mais para perfumar um pouco e calibrar o teor alcoólico para cima. Não fora sua presença, seria só um vermute tomado antes de comer, digestivo e aperitivante. Como a rainha-mãe, também Elizabeth, curtia o coquetel e viveu até os 101 anos, e Elizabeth II está sacudida aos 85 anos, deve ter coisa aí. Talvez o quinino.

Tudo o que sabemos sobre:
drinks

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.