'O hacker é um curioso'

Pode sair de tudo de uma maratona hacker de 24 horas de duração. Unir jornalistas e gente interessada em programação é, para o membro da Transparência Hacker Pedro Markun, uma oportunidade para criar um espaço de colaboração e troca. E sem "segundas intenções", como conta.

O Estado de S.Paulo

18 Junho 2012 | 03h07

O que é o hacker?

O hacker é um curioso. E ponto. É uma pessoa que basicamente entende muito de um assunto ou quer entender. Você pode ter hacker de qualquer coisa. Pode ter o de computador, que faz a máquina fazer o que ele quiser, mesmo que ela não tenha sido programada para tal. Pode ter o hacker da gastronomia, que é aquele que junta três ou quatro ingredientes que supostamente resultariam num prato "x" mas acabam se transformando em uma coisa maravilhosa. E tem o hacker político, aquele que entende profundamente do sistema político, ao ponto de fazê-lo funcionar a seu favor. Em todas essas categorias há ladrão.

Como funcionam as maratonas hackers?

A ideia é assim: que tal passar um sábado escrevendo códigos ou programas, tentando resolver programas complexos? É um programa de fim de semana prazeroso. Para o desenvolvedor, a sensação é a mesma de um poeta que fica escrevendo poesias ou de um músico que fica fazendo músicas. Cada um com a sua arte. Mas não é só para bater papo. É para escrever. Só vai quem gosta. Quem não está a fim fica em casa. Porque é um momento de sinergia entre os participantes. Não é um evento de mercado, para apresentar projetos. É um ambiente de compartilhamento, em que as pessoas projetam juntas. Não há segundas intenções.

Quais são as vantagens de um encontro entre hackers e jornalistas?

O jornalismo brasileiro está bastante atrasado no quesito de compartilhamento e abertura. Promover o Hackatão é uma forma, quem sabe, de renovar processos dentro de redações, que estão engessadas desde Gutenberg. Quem melhor para falar de informações complexas - estatísticas de instituições públicas, por exemplo - do que o jornalista envolvido com um banco de dados complicado? A vantagem de um hackathon desse tipo pode ser a criação de um ambiente de troca entre jornalistas que sofrem com isso e gente que lida com tecnologia e, de repente, tem uma solução rápida para aquele problema de copiar e colar números em uma tabela de Excel ou de um PDF.

O Hackatão pode ajudar no combate à falta de transparência na sociedade?

Sim, espalhando a cultura da colaboração e colocando-a em prática.

LOGIN y Pedro Markun, do Transparência Hacker

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.