''O mal não pode ganhar do bem'', ataca Muricy

Muricy Ramalho exaltou a vitória do Palmeiras sobre o Atlético-MG, mas fez novos ataques à imprensa. "Estou pedindo muito a Deus e trocaria tudo o que eu tenho pelo título. O mal não pode ganhar do bem."

Amanda Romanelli, O Estadao de S.Paulo

30 de novembro de 2009 | 00h00

O técnico vibrou e beijou o escudo palmeirense após a partida. Disse ter lembrado de seu pai, Marinho, que torcia para a equipe alviverde, mas também das dificuldades pelas quais a equipe passou. "As últimas semanas foram difíceis demais, com muitas críticas. Claro que algumas pessoas vão pelo lado correto, analisando a parte tática e técnica. Outros, querem que a gente passe por ridículo."

E continuou: "Fomos humilhados. Todos têm filho, esposa, mas tem gente que quando analisa, não quer saber de p... nenhuma. Se tiverem que pisar na nossa cabeça, pisam mesmo."

Para Muricy, o resultado foi uma resposta aos críticos. "Quando o ser humano é muito atacado, quer dar a resposta. Aguentamos ficar em Itu, isolados. Reagimos e temos chances."

Autor de um dos mais belos gols do torneio, o meia Diego Souza lamentou a reação do Inter, que virou em cima do Sport. "Ter só uma equipe à nossa frente seria o ideal. Mas vamos continuar lutando, apesar do jogo difícil, para saber o que o fim da rodada reserva para a gente."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.