O negócio dele é café

Ele tem 35 anos e a língua mais cara do mundo, segurada em US$ 15,5 milhões. Mas será que vale mesmo tudo isso? "É dinheiro demais", admite Gennaro Pelliccia, provador de cafés e criador de blends da rede de cafeterias Costa Coffee, na Inglaterra. Napolitano criado em Londres, ele garante que sua "língua é comum", em tamanho e qualidades. E conta que os diretores da Costa decidiram colocá-la no seguro em dezembro de 2008, quando uma pesquisa de mercado mostrou que sete em cada dez ingleses preferiam o cappuccino da Costa, desenvolvido por ele.

Olívia Fraga, O Estado de S.Paulo

29 Julho 2010 | 02h28

Ser dono de uma língua assim não é fácil. Nos períodos de prova, a língua manda em sua vida e determina sua dieta. Menta, doces e comida indiana são vetados. "Não posso comer pimentas nem curry, sofro com isso porque a comida indiana é a melhor que há em Londres", lamenta. Mas o mais surpreendente é que nesses períodos ele é proibido de tomar "café" após as refeições porque a bebida "confunde" as papilas gustativas. Gennaro gosta de fazer as provas de manhã, quando o paladar está mais limpo - degusta cem doses de café até a hora do almoço, servidas em colher de prata, com temperatura de 50°C a 55°C. Se está estressado, não prova. "O estresse muda a percepção", explica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.