O Nobel de Medicina e os idosos desaparecidos

O Prêmio Nobel de Medicina de 2014 foi concedido aos pesquisadores John O'Keefe, May-Britt Moser e Edvard Moser pela descoberta de células cerebrais que formam um sistema de localização, que seria um tipo de "GPS" humano. Este sistema estaria localizado no hipocampo, a mesma região do cérebro relacionada à doença de Alzheimer.

* José Luiz Riani Costa, O Estado de S. Paulo

10 de outubro de 2014 | 12h19

Poucos sabem que, além dos conhecidos comprometimentos da memória, na doença de Alzheimer podem aparecer outros comprometimentos, incluindo a desorientação espacial, o que leva muitos idosos a se perderem, mesmo em locais conhecidos. Também são frequentes os relatos de pequenos acidentes de trânsito, especialmente colisões laterais e raspões ao entrar ou sair da garagem.

Portanto, são muito importantes os conhecimentos relacionados às pesquisas agora agraciadas, que podem ajudar a descoberta de tratamentos sofisticados para as doenças que afetam a orientação espacial. No Brasil, muitas pesquisas básicas na área de neurociências são desenvolvidas, envolvendo estudos sobre prevenção e tratamento da doença de Alzheimer e outros transtornos relacionados. 

Mas também é necessário estimular pesquisas aplicadas que minimizem os efeitos deste problema na realidade da vida das pessoas afetadas. Um exemplo desse tipo de pesquisa é o trabalho realizado na Unesp-Câmpus de Rio Claro, com diversos estudos sobre os benefícios da prática regular de exercício físico e do convívio social, considerados tratamentos não-farmacológicos da doença de Alzheimer. Outro exemplo é a pesquisa realizada na UFSCar, em 2007, sobre "Desorientação Urbana", que observou que cerca de 30% dos idosos referiram ter se perdido ou apresentado algum episódio de dificuldade de localização momentânea.

O número crescente de idosos perdidos ou desaparecidos em nossa sociedade exige ações de diversos órgãos públicos e de setores da sociedade, pois a família não consegue enfrentar sozinha esta situação. Cabe lembrar que quando um idoso apresenta um episódio de desorientação aumenta o risco de queda, além de atropelamento e diferentes formas de violência. Após um episódio desse tipo, há uma tendência ao confinamento do idoso em casa, o que leva à diminuição da atividade física e de estímulos mentais, agravando o caso.

Um aspecto que pode ajudar o País a avançar mais, tanto na pesquisa básica quanto na aplicada, é o intercâmbio crescente de nossos pesquisadores e estudantes com grupos de pesquisa dos grandes centros, especialmente por meio do Programa "Ciência sem Fronteiras", uma ação conjunta dos Ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação e da Educação, envolvendo os órgãos de fomento - CNPq e Capes, com bolsas e auxílios que vão desde a graduação, passando pelo Doutorado Sanduíche e chegando ao pós-doutorado.

* José Luiz Riani Costa é médico e professor da Unesp

Mais conteúdo sobre:
Nobel da Medicina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.