O que é que gosta de voar e é caviar?

IÇÁ - Quando a bundinha estica e fica amarela, está no ponto Em outubro e novembro, época em que os içás saem aos montes do formigueiro, os garotos se embrenham no mato com garrafas de plástico para capturá-los. "Dois litros" de içá valem R$ 15, o suficiente para refazer o estoque de bolinhas de gude. Veja também: ESPECIAL: É da roça O arroz ficou vermelho! Amargo de doer, mas tem quem coma cru Em Bananal tem sempre truta As fadas da boca do tacho Caipira da gema Comida mineira é paulista. E também caipira Você não pode perder. Mesmo! A guerra do bolinho O pastel que vira sozinho Tomate até na cocada Parece uma realidade distante, mas não é preciso ir até o Amazonas para provar formiga. Esses garotos são de Lagoinha, no Vale do Paraíba, onde comer içá é tão comum quanto o porco na banha. É o caviar da gente taubateana, como escreveu Monteiro Lobato. O povo de lá gosta tanto que estoca no congelador – a formiga só aparece uma vez por ano. Assim, garantem o içá que acompanha a cerveja e a pinga, como tira-gosto, ou que vai para a farofa. Para capturar as formigas, é preciso preparo. E até o mais esperto dos catadores coleciona meia dúzia de picadas. "Você tem de usar botas de borracha até o joelho e esperar elas saírem. Mas antes dos içás, saem os sabitus (os machos), e esses ninguém quer", conta Luan da Silva, de 19 anos, que pegava içá quando era criança para vender. Em Lagoinha, nenhum restaurante serve içá. É comida caseira. O primeiro passo para prepará-lo, ensina José Paulo dos Santos, o Tatu, é lavar em água fervente e, depois, tirar o ferrão, as asas e as perninhas. Há quem tire também a cabeça e aproveite só o bumbum. Tatu, não. Nem Lourdes Gouvêia, que mostrou ao Paladar como se prepara o içá. Depois, é só fritar em óleo, no fogo baixo. Tem de ficar crocante, mas não muito, para ficar macio por dentro. "Logo que começa a fritar, a bundinha incha um pouco. Você sabe que está bom quando o içá está ficando amarelo e vem aquele cheiro bom." E o cheiro vem mesmo. Todos se esbaldaram de içá, confirmando a previsão de Tatu: "Não estou fazendo comercial de batata chips, mas é impossível comer um só."

Giovanna Tucci,

29 Outubro 2009 | 10h06

Mais conteúdo sobre:
Paladar Vale do Para&iacute ba

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.