O sucesso do Kumon

Método completa 50 anos e festeja: 70% dos 97 mil inscritos no País não têm sangue japonês

Elisa Estronioli,

23 de fevereiro de 2008 | 17h32

Método de ensino popular no Japão, o Kumon tem várias razões para festejar em 2008. Além de completar 50 anos - foi criado em Osaka pelo professor de matemática Toru Kumon -, tornou-se um sucesso em vários países, inclusive o Brasil. Por aqui, os nikkeis há muito deixaram de ser maioria entre os estudantes: 70% dos 97 mil inscritos não têm sangue japonês.A primeira escola de Kumon no País foi montada em Londrina, no Paraná (1977), que tem expressiva colônia japonesa. Os alunos eram nikkeis, assim como os donos das franquias, e só havia aulas de matemática - agora, é possível estudar português, inglês e japonês. "Nas escolas tradicionais, o ritmo de ensino do japonês acaba sendo mais lento. Por isso os alunos nos procuram", diz a coordenadora Rieko Yamada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.