OAB-RJ: governo e bombeiros devem 'desarmar espíritos'

O presidente da seccional do Rio de Janeiro da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RJ), Wadih Damous, pediu, em nota, que o governo fluminense e os bombeiros se empenhem em "desarmar os espíritos" para resolver o impasse provocado após invasão do quartel-general da corporação. O Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) da Polícia Militar (PM) acabou invadindo o local para reprimir o protesto, resultando na prisão de 439 pessoas.

AE, Agência Estado

05 Junho 2011 | 18h44

"A ocupação do quartel-general da corporação, por parte dos grevistas, não pode ser aceita num Estado democrático de direito e só contribui para acirrar os ânimos e diminuir o apoio da população às justas pretensões salariais dos bombeiros", diz a nota da OAB-RJ. Para Damous, o governador Sérgio Cabral (PMDB) impôs dificuldades. "A intransigência do governador do Estado, que há meses se recusa a negociar um reajuste salarial, contribuiu decisivamente para a radicalização do movimento."

Na avaliação do presidente da OAB-RJ, os bombeiros não devem ser tratados como "bandidos". "É preciso que o governo do Estado abra imediatamente negociações para a concessão de um reajuste que proporcione um salário digno aos integrantes de uma corporação que tantos serviços já prestou à população fluminense e que conta com a sua admiração", conclui a nota.

Mais conteúdo sobre:
bombeirosprotestoOABRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.