Obama abre seis pontos sobre McCain, revela pesquisa

Obama vence McCain por 49 por cento a 43 por cento entre eleitores que provavelmente irão às urnas

ANDREW QUINN, REUTERS

12 de outubro de 2008 | 18h44

O democrata Barack Obama abriu vantagem de 6 pontos sobre seu rival republicano, John McCain, na campanha pela presidência dos Estados Unidos, de acordo com pesquisa da Reuters/C-SPAN/Zogby divulgada neste domingo. Obama vence McCain por 49 por cento a 43 por cento entre eleitores que provavelmente irão às urnas, ouvidos num levantamento realizado durante quatro dias. Esta foi a maior vantagem de Obama sobre McCain desde o início da pesquisa, na terça-feira. No tipo de sondagem realizada pela Reuters/C-SPAN/Zogby, os resultados dos dias mais recentes do levantamento são acrescentados e os mais antigos são eliminados, de modo que a pesquisa possa indicar as mudanças nas intenções dos eleitores. A diferença anterior era de 4 pontos porcentuais de vantagem para Obama. A pesquisa tem margem de erro de 2,9 pontos porcentuais. O pesquisador John Zogby disse que a vantagem de Obama é agora estatisticamente significativa. "Como observamos a cada dia, está claro que ele passou de uma liderança de 2 pontos, para 3 pontos até chegar a 6 pontos", disse Zogby. "Seu caminho é certamente uma tendência." Com apenas pouco mais de três semanas antes da eleição de 4 de novembro, a pesquisa mostrou Obama ganhando espaço entre eleitores independentes que agora o apóiam por uma margem de 21 pontos porcentuais de vantagem sobre McCain. Entre as mulheres, outro grupo crucial, o senador por Illinois tem uma sólida vantagem de 12 pontos, enquanto os dois candidatos estão empatados entre os eleitores do sexo masculino, com 45 por cento cada. Obama ampliou sua vantagem à medida que as semanas de turbulência financeira foram agitando o mercado financeiro, provocando o desabamento dos preços das ações e alimentando a preocupação do eleitor sobre questões do dia-a-dia. Os eleitores jovens entre 18 e 29 anos apóiam Obama por uma margem de 20 pontos porcentuais. Ele também tem uma vantagem de dois dígitos entre as pessoas que disseram ter se registrado para votar nos últimos seis meses (o voto não é obrigatório nos EUA). McCain tem vantagem de 10 pontos entre os eleitores brancos, enquanto Obama, que poderia tornar-se o primeiro presidente negro dos EUA, tem o apoio de 92 por cento dos eleitores negros, uma das bases mais importantes do Partido Democrata. Zogby disse que McCain, um ex-piloto da Marinha e prisioneiro de guerra no Vietnã, parece estar fracassando em se conectar com muitos eleitores na questão da economia e, além disso, uma onda de ataques pessoais da campanha de McCain contra Obama também caiu mal entre os eleitores. "Está claro que a campanha negativa não está funcionando", disse Zogby, observando que Obama ganhou apoio de eleitores mesmo nos mais fortes redutos republicanos. "Ele está obtendo 19 por cento de apoio entre conservadores e 35 por cento entre eleitores evangélicos e do movimento dos cristãos renascidos, o que é bastante substancial", disse ele. A pesquisa ouviu 1.206 prováveis eleitores.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAELEICAOOBAMAMCCAINVANTAGEM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.