Obama ataca McCain por empregar lobistas contrários à Boeing

O candidato democrata à Casa Branca,Barack Obama, elogiou na quinta-feira o Pentágono por cancelaruma licitação que poderia prejudicar a empresa norte-americanaBoeing num programa de 35 bilhões de dólares. Caberá ao próximogoverno reiniciar o processo. "Foi correto por parte do Pentágono cancelar a concorrênciapara a próxima geração de aviões-tanque, foi errado por partedo [candidato republicano] John McCain recompensar doislobistas de Washington que trabalharam contra a Boeing comempregos na sua campanha", disse ele em conferência a operáriosdo setor aeroespacial. O Pentágono anunciou na quarta-feira o cancelamento darepetição da concorrência entre a Boeing e um consórcio formadopela Northrop Grumman e pela européia EADS. A licitaçãoinicial, vencida pela Northrop em fevereiro, havia sidosuspensa devido a uma irregularidade nos procedimentos, apedido da Boeing, que então pedira mais tempo para rever seusprojetos. Obama é senador por Illinois, onde fica a sede da Boeing,beneficiada com o adiamento. Ele acusou seu rival de sertolerante com decisões que ameaçam empregos nos EUA. Em 2003, como senador, McCain tentou impedir a Força Aéreade comprar sem licitação cem Boeings 767, por 23,5 bilhões dedólares, para que servissem no reabastecimento em vôo. Eledisse que o contrato seria um ótimo negócio para a Boeing e uma"exploração" do contribuinte. Em 2006, McCain informou ao Pentágono sobre algumaspreocupações suas no processo de aquisição dos aviões-tanque,inclusive o temor de que os EUA fossem acusados na OrganizaçãoMundial do Comércio de violar regras a respeito de subsídiospara empresas aéreas. A Boeing e a Airbus (subsidiária da EADS, que ofereceria aestrutura do novo avião à Northrop) acusam-se mutuamente de sebeneficiar de subsídios ilegais para ocupar mercados. Criticando a agenda comercial de John McCain, Obama disse:"Quando os trabalhadores norte-americanos ouvem John McCainfalar em colocar o país em primeiro lugar, é justo perguntar:'Qual país?"'. A campanha de McCain não comentou o cancelamento dalicitação. Vários ex-lobistas da EADS trabalharam na campanha deMcCain. Um deles, Tom Loeffler, afastou-se em maio, quando ocandidato republicano decidiu coibir o envolvimento comlobistas. Nas suas declarações por vídeo à convenção dos operários,Obama prometeu pressionar a China a revalorizar sua moeda. Eledisse também que é favorável a condições igualitárias dentro dolivre-comércio. "Por isso qualquer acordo comercial que euapoiar deve conter padrões reais e verificáveis para ostrabalhadores."

CAREN BOHAN, REUTERS

12 de setembro de 2008 | 17h40

Tudo o que sabemos sobre:
EUAELEICAOOBAMAATAQUES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.