Obama bate recorde e arrecada US$ 55 milhões em fevereiro

Barack Obama arrecadou 55 milhões dedólares em fevereiro, estabelecendo um novo recorde em um únicomês nas campanhas norte-americanas e superando os 35 milhões dedólares obtidos por sua rival Hillary Clinton no mesmo mês. A notícia, anunciada na quinta-feira por assessores,garante tranquilidade à campanha de Obama nos próximos meses,depois de duas derrotas importantes na terça-feira nas préviasde Ohio e Texas. No começo do mês, Hillary arrecadou 6 milhões de dólares,sendo 4 milhões apenas depois das vitórias de terça-feira,segundo assessores. Howard Wolfson, assessor da senadora, criticou Obama porter prometido ser mais agressivo na campanha, e o comparou aopromotor Kenneth Starr, alvo de críticas dos democratas durantea investigação que levou ao processo de impeachment dopresidente Bill Clinton em 1998. "Eu por exemplo não acredito que imitar Ken Starr seja aforma de ganhar uma eleição primária democrata à Presidência,mas talvez essa teoria seja testada", disse Wolfson ajornalistas. Starr investigou Bill Clinton, marido de Hillary, pelo fatode ele ter supostamente mentido sob juramento a respeito desuas relações sexuais com a estagiária da Casa Branca MonicaLewinsky. Na época, a Câmara chegou a aprovar o impeachment deClinton, que no entanto foi absolvido pelo Senado. Osdemocratas acusaram Starr de agir com motivação política. Obama disse na quarta-feira que pretende elevar o tom dascríticas a Hillary, colocando mais em dúvida as suascredenciais sobre segurança nacional e trazendo à tona temascomo sua recusa, até agora, em entregar declarações de bensrecentes. A campanha de Obama acha que Hillary foi muito agressivanas campanhas de Ohio e Texas, quando questionou a capacidadedo senador para lidar com crises mundiais e a franqueza de suasdeclarações sobre comércio internacional. "Quando o senador Obama foi confrontado por questões sobrese estava preparado para ser o comandante-chefe e guardião daeconomia, ele escolheu não tratar dessas questões, e sim atacara senadora Clinton, e é isso que estamos apontando", disseWolfson a jornalistas. A campanha de Obama se apressou em qualificar como"absurdas" as declarações de Wolfson. "Após semanas importunando a mídia para 'examinar' osenador Obama, a campanha de Clinton acredita que eles deveriamser tratados com um padrão completamente diferente", disse BillBurton, porta-voz de Obama. "Não acreditamos que esperar que os candidatos àPresidência revelem suas declarações de impostos de algumaforma constitua uma tática no estilo de Ken Starr, mas sim otipo de transparência e responsabilidade que osnorte-americanos procuram", afirmou. A campanha de Obama disse que mais de 54 milhões de dólaresda arrecadação de fevereiro serão destinados à disputa dasprimárias contra Hillary. A cifra inclui mais de 385 mildoadores novatos, o que eleva o total de contribuintes a maisde 1 milhão. Faltando 12 disputas em Estados e territórios, Hillaryainda tem pela frente a difícil tarefa de superar Obama emtermos de delegados já comprometidos com sua candidatura para aconvenção nacional de agosto. Mas Obama tampouco deve chegar à convenção com a maioriaabsoluta de 2.025 delegados, o que o obriga a intensificar abusca pelo apoio dos "superdelegados", que são dirigentespartidários e ocupantes de cargos eletivos, livres para votaremem quem quiserem. (Reportagem adicional de Jeff Mason e Ellen Wulfhorst)

CAREN BOHAN, REUTERS

06 de março de 2008 | 22h32

Tudo o que sabemos sobre:
EUAELEICAOOBAMAGRANA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.