Obama descarta renúncia de secretário do Tesouro

Timothy Geithner vem sendo criticado por ter tido conhecimento sobre bônus da AIG.

BBC Brasil, BBC

21 de março de 2009 | 20h51

O secretário do Tesouro americano, Timothy Geithner, não terá permissão para renunciar apesar das críticas que vem sofrendo desde que assumiu o cargo, há apenas dois meses, afirmou neste sábado o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

Em entrevista ao programa 60 Minutes

, da rede de TV americana CBS, Obama disse que recusaria qualquer pedido de demissão por parte de Geithner e lhe diria: "Desculpa, meu irmão, o emprego ainda é seu".

O presidente ressaltou que os dois ainda não conversaram sobre o assunto.

Geithner tem sido alvo de pesadas críticas em relação ao pagamento de bônus milionários aos executivos da seguradora americana AIG, que segundo informações reveladas neste sábado, chegaram a US$ 218 milhões, um valor bem mais alto do que havia sido divulgado anteriormente (US$ 165 milhões).

O secretário do Tesouro vem sendo questionado sobre o quanto ele sabia sobre o pagamento dos benefícios pela AIG, que no ano passado recebeu um auxílio bilionário do governo americano para não entrar em concordata.

Esta não é a primeira vez que o secretário é alvo de críticas. Durante sua confirmação ao cargo no Senado, veio à tona a denúncia de que ele não teria pagado impostos do sistema de seguridade social na época em que era funcionário do Fundo Monetário internacional (FMI).

O presidente defendeu o secretário ao longo desta semana, quando o escândalo sobre o pagamento dos bônus veio à tona e, neste sábado, disse repetidas vezes ao entrevistador da CBS que "não há chances de o secretário do Tesouro renunciar apenas dois meses após a posse".

Em sua mais longa entrevista televisiva desde que assumiu a Casa Branca, o presidente ressaltou seus esforços para combater a crise financeira.

Ele defendeu seu plano de estímulo econômico e o orçamento de US$ 3,55 trilhões para o próximo ano, acrescentando que críticas são naturais em tempos difíceis.

"Vai demorar um pouco mais do que gostaríamos para garantir que esse plano dê certo", disse ele.

O presidente ainda defendeu sua decisão de fechar o centro de detenção na Baía de Guantánamo, em Cuba.

"Guantánamo não nos deixou mais seguros", afirmou. "E ainda serviu de grande propaganda a favor do sentimento antiamericano".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
eral

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.