Obama diz que Bush o acusa de querer 'negociar com terroristas'

Senador tomou como pessoal crítica de Bush a quem tenta negociar com terroristas.

Da BBC Brasil, BBC

16 de maio de 2008 | 05h15

O pré-candidato democrata à Casa Branca, o senador Barack Obama, acusou o presidente americano George W. Bush de atacá-lo depois que o líder americano disse que "negociar com o Irã é como tentar fazer acordos com nazistas".Obama tomou o comentário como um ataque pessoal e rebateu."É lamentável que o presidente Bush tenha aproveitado o aniversário de 60 anos de Israel para lançar um ataque político. George Bush sabe que eu nunca apoiei terroristas", disse Obama em um comunicado divulgado nesta quinta-feira.O comentário de Bush foi feito durante visita ao Parlamento israelense pela ocasião das comemorações dos 60 anos de Israel.Ponto fracoA Casa Branca negou que o comentário tenha sido dirigido a Obama, que no ano passado sinalizou que estaria disposto a se encontrar com o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, caso seja eleito presidente, em novembro.Em seu discurso, Bush disse que "alguns acreditam que negociar com terroristas e radicais poderia convencê-los de que eles sempre estiveram errados"."Nós já ouvimos essas tolices antes. Logo depois que os tanques nazistas cruzaram a fronteira com a Polônia, em 1939, um senador americano disse: 'Deus, se eu apenas pudesse ter conversado com Hitler, tudo isso poderia ter sido evitado'."A porta-voz da Casa Branca, Dana Perino, negou que as palavras de Bush tinham o senador como alvo."Muitos já sugeriram negociações com certas pessoas com as quais o presidente acredita que não deveríamos conversar", disse ela."Eu entendo que quando se está concorrendo à presidência pode-se pensar que o mundo gira em torno de você. Isto nem sempre é verdade. E não é verdade neste caso."O correspondente da BBC em Washington James Coomarasamy disse que o incidente indica que os republicanos identificaram que a política de Obama em relação ao Oriente Médio - particularmente a sua baixa popularidade entre os eleitores judeus - pode ser um ponto fraco do democrata.Se Obama, que está na frente na corrida pela nomeação democrata, vencer Hillary Clinton, ele enfrentará o republicano John McCain na disputa pela Casa Branca, em novembro. Obama despertou polêmica no ano passado ao defender negociações diretas com o presidente iraniano. Sua postura tem sido criticada não apenas por McCain, mas também por Hillary, acrescentou o correspondente.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.