Obama e Hillary cortejam Gore e falam do clima

Os dois pré-candidatos democratas àCasa Branca, Hillary Clinton e Barack Obama, costumam falar emvagas de trabalho ambientalmente corretas, redução de emissõesde poluentes e energia renovável. Mas quando falam em políticaspara o meio ambiente eles não têm só o aquecimento global emmente. A meta de longo prazo pode ser salvar o planeta, mas oobjetivo imediato é conquistar o apoio do ex-vice-presidente AlGore, que já recebeu o Nobel da Paz por sua campanha contra amudança climática. Gore não só tem voto garantido na convençãonacional democrata que vai escolher o candidato como também éum dos dirigentes mais influentes do partido. Por isso, ambas as campanhas elogiam Gore em seus comícios,cogitam lhe entregar cargos no governo e, acima de tudo, fazemquestão de ficar perto dele. "Ambos me ligam, e aprecio esse fato", disse Gore nestasemana ao programa "60 Minutes", da CBS. Obama, o favorito entre os democratas, diz manter contatoregular com Gore e promete lhe dar um papel importante nocombate ao aquecimento global, caso seja eleito. "Assumirei o compromisso de que Al Gore esteja na mesa ejogue uma parte central em fazer-nos entender como resolvereste problema", disse Obama. Hillary disse a jornalistas que não sabe se Gore gostariade voltar ao governo -- foi vice de seu marido, Bill Clinton,mas que certamente o povo norte-americano aprovaria isso. "Sou muito dependente do trabalho que Al Gore faz há muitosanos contra a mudança climática", disse ela. Kalee Kreider, assessora de imprensa de Gore, evitoucomentar a oferta de cargo feita por Obama e elogiou todos oscandidatos, inclusive o republicano John McCain. "O ex-vice-presidente Gore acha que ambos os candidatos[democratas] são muito fortes. Ambos ofereceram planos paratratar da crise climática, assim como fez o senador McCain",disse ela. "É uma verdadeira guinada ter candidatos de ambos os ladosoferecendo soluções e planos para a crise climática",acrescentou. Gore, derrotado por estreita margem na eleição de 2000contra George W. Bush, dedica-se desde então à questãoclimática. Embora demonstre interesse em voltar ao dia-a-dia dapolítica, ele não esconde a intenção de colocar a questão doaquecimento no topo da pauta do próximo governo. Isso não deve ser difícil, já que os três candidatos fazempropostas bem mais ambiciosas que as de Bush, que incluemlimites às emissões industriais de dióxido de carbono e umsistema de comercialização de créditos de emissões semelhanteao que já vigora na União Européia. (Reportagem adicional de Caren Bohan e Ellen Wulfhorst)

JEFF MASON, REUTERS

09 de abril de 2008 | 12h18

Tudo o que sabemos sobre:
EUAELEICAODEMOGORECLIMA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.