Obama inicia giro internacional no Afeganistão

Democrata visa dissipar dúvidas sobre sua experiência em política externa.

Bruno Garcez, BBC

19 de julho de 2008 | 09h57

O virtual candidato democrata à Presidência americana, Barack Obama, chegou ao Afeganistão neste sábado, onde inicia um giro internacional que inclui países do Oriente Médio e da Europa.Obama deve se encontrar com o presidente afegão, Hamid Karzai. Depois do país asiático, o pré-candidato deve passar pelo Iraque, Israel, Alemanha, França e Grã-Bretanha.Durante as visitas, Barack Obama buscará reforçar suas credenciais em política externa, um dos pontos vulneráveis de sua candidatura.Uma pesquisa de opinião realizada recentemente pelo jornal Washington Post e a rede ABC, apontou que 72% dos americanos acreditam que o virtual candidato republicano, John McCain, sabe o bastante de política externa para se tornar presidente. Já o índice de confiança dos eleitores em Obama em relação a seu domínio de assuntos internacionais foi de 56%.MensagemObama conversou com jornalistas pouco antes de embarcar na sexta-feira. Quando perguntado sobre que mensagem gostaria de transmitir aos líderes afegãos e iraquianos, o candidato disse que estará "mais interessado em ouvir do que em falar"."Estou indo nesta viagem como senador. Nós temos um presidente de cada vez. E é dever do presidente transmitir essas mensagens", acrescentou ele. Em um discurso no início desta semana, o candidato disse que o exército americano deveria se preocupar mais com o Afeganistão do que com o Iraque.Obama disse que quer conversar com os comandantes militares nos dois países para saber quais são suas principais preocupações.O democrata só esteve uma vez no Iraque, em janeiro de 2006, e nunca foi ao Afeganistão. O senador diz que, se eleito, promoverá gradualmente a retirada das tropas americanas em 16 meses. A viagem do candidato terá grande repercussão na mídia americana, já que os âncoras das principais televisões do país estão lhe acompanhando. Analistas dizem que a campanha de McCain estará atenta aos possíveis tropeços do rival durante a viagem internacional e também criticará o fato de que as visitas anteriores do republicano ao Iraque e a outros países receberam bem menos atenção.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.