Obama inspira irmão a disputar eleições no Quênia

A mensagem de mudança e esperança do presidente norte-americano, Barack Obama, inspirou seu meio-irmão Malik a lançar uma carreira política própria, de olho nas eleições no Quênia em março.

DUNCAN MIRIRI, Reuters

18 de janeiro de 2013 | 15h24

"Se o meu irmão está fazendo grandes coisas para o povo dos Estados Unidos, por que eu não posso fazer grandes coisas para os quenianos aqui?", disse Malik Obama à Reuters do vilarejo de Kogelo, a terra ancestral do presidente Obama.

Malik, de 54 anos, está disputando o posto de governador do condado rural de Siaya como candidato independente.

A mensagem de seu irmão ressoa em meio a um eleitorado queniano furioso com uma classe política vista como voraz e corrupta.

No entanto, as probabilidades estão contra os candidatos independentes em um país onde a ideologia é superada por laços tribais ou de clãs. Essa é a primeira vez que independentes receberam a permissão de disputar uma eleição após a mudança constitucional em 2010.

Para Obama, a inspiração veio de outra parte. "Ele é uma inspiração para mim e eu sinto que ele é a personificação do sonho de meu pai", disse sobre o líder norte-americano.

"Tudo o que ele me disse foi ‘irmão, não é coisa fácil assumir um cargo público. Tenha uma pele grossa porque as pessoas vão atacar você. A mídia vai dizer isso e aquilo. Vai haver gente que vai amar você e gente que não vai amar você'".

Ele disse que seu irmão caçula prosperou ao seguir os passos do pai deles, Barack Obama Sênior - o primeiro africano a estudar na Universidade do Havaí - antes de voltar para casa para trabalhar nos altos escalões do serviço civil queniano.

"O modo antigo e testado não funcionou realmente para nós. Agora precisamos de uma abordagem ousada, radical e nova", ele disse.

Obama pediu desculpas por ter chegado tarde para a entrevista, dizendo que teve que parar seu carro diversas vezes para falar com as pessoas.

Ele diz que sua candidatura é motivada pelo desejo de promover o desenvolvimento econômico e responder ao chamado do dever.

Obama, que diz ser polígamo e ter 10 filhos, tem uma equipe de campanha que inclui alguns parentes e voluntários. Ele não tem certeza se o nome que leva para a disputa lhe dará vantagem.

O presidente Obama visitou Kogelo antes de sua primeira vitória eleitoral, em 2008, o que provocou júbilo, danças e festas. Sua reeleição em novembro foi recebida com entusiasmo similar.

Para conquistar o governo, Obama enfrentará uma dura luta com gente como Oburu Odinga, irmão do primeiro-ministro Raila Odinga, e um novo e popular candidato no cenário político, William Oduol.

Oburu Odinga está há muito tempo no Parlamento na região, enquanto Oduol, de 35 anos, é o favorito entre os jovens.

"Por mais que o irmão tenha se saído bem nos EUA, a verdade é que ele (Malik) não é muito próximo ao povo daqui", disse Amos Owino, um clínico de 29 anos.

Malik Obama, um residente nos Estados Unidos, vivia na capital norte-americana, Washington, desde 1985, onde trabalhou com várias empresas antes de se tornar um consultor financeiro independente.

Em seu escritório há fotografias emolduradas dele com o presidente Obama no Salão Oval e outra no casamento do presidente, onde foi o padrinho. Ele vive entre os EUA e o Quênia.

Mais conteúdo sobre:
QUENIAOBAMAIRMAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.