Obama se diz revoltado com comentários de ex-pastor

O pré-candidatodemocrata à Presidência dos EUA Barack Obama criticou duramentena terça-feira o seu polêmico ex-pastor e disse que oscomentários do religioso com teor racial são "pavorosos". Os sermões do pastor Jeremiah Wright, que Obama costumavafrequentar em Chicago, tornaram-se um dos temas mais espinhososda candidatura dele, sendo frequentemente explorados pelosrivais. O senador se viu obrigado a voltar ao assunto porque nasegunda-feira Wright deu uma entrevista no Clube Nacional daImprensa, em Washington, onde repetiu sua tese de que os EUAsão parcialmente culpados pelos atentados que sofreram em 11 desetembro de 2001 e que o governo pode ter tido envolvimentodireto na difusão da Aids entre os negros. "Quero deixar muito claro que, indo adiante, o reverendoWright não fala por mim, ele não fala pela nossa campanha",disse Obama aos jornalistas na Carolina do Norte, Estado querealiza eleições primárias na próxima terça-feira. "Não posso impedi-lo de continuar fazendo essas declaraçõesrevoltantes, mas o que eu quero é que ele tenha muito claro[...] que falo sério quando digo que acho esses comentáriospavorosos. Isso contradiz tudo o que penso e sou." Obama, filho de mãe branca e pai negro, baseia sua campanhana promessa de unificar os EUA, após tantos anos de agudasdivisões políticas e raciais. Wright também questionou a honestidade de Obama, porsupostamente atacá-lo nas últimas semanas para conseguir votos."Se o senador Obama não dissesse o que disse, nunca seriaeleito", afirmou o pastor. Sem sorrir, escolhendo cuidadosamente as palavras, Obamadisse que a entrevista do pastor na segunda-feira foi "umademonstração de desrespeito a mim". "Acho que também é um insulto àquilo que tentamos fazernesta campanha. Qualquer que seja o relacionamento que tenhatido com o reverendo Wright, mudou por causa disso", disse. Questionado na segunda-feira sobre um sermão em queidentificava os atentados de 11 de setembro de 2001 como umaretaliação à política externa dos EUA, Wright disse: "Não sepode fazer terrorismo contra os outros e não esperar que ele sevolte contra você". Sobre um outro sermão, em que sugeria que o governo criou ovírus da Aids para matar negros, ele afirmou: "Com base no queaconteceu com os africanos neste país, acredito que o nossogoverno é capaz de qualquer coisa". Wright celebrou o casamento de Obama e batizou suas filhas.Atualmente, está quase aposentado da Igreja Unida da Trindadede Cristo. "A pessoa que eu vi ontem não era a pessoa que eu conhecihá 20 anos," disse Obama. "Seus comentários não eram apenasdivisivos e destrutivos, mas acredito que acabam reconfortandoaqueles que pregam sobre o ódio." O senador diz que gosta do novo pastor e continua ligado àigreja. Matthew Wilson, cientista político da UniversidadeMetodista do Sul, de Dallas, acha que essas críticas de Obama--mais enfáticas do que as das últimas semanas-- ocorrem tardedemais. "Uma denúncia a esta altura parece politicamente motivada,porque o reverendo Wright não disse nada ontem que não estejadizendo há 30 anos", afirmou Wilson. (Reportagem adicional de Caren Bohan em Washington e EdStoddard em Fort Worth)

JEFF MASON, REUTERS

29 de abril de 2008 | 20h18

Tudo o que sabemos sobre:
EUAELEICAOOBAMAPASTOR

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.