Obama 'vasculha' vida de candidatos a emprego no governo

Candidatos terão de responder a questionário rigoriso com 63 perguntas.

Richard Lister, BBC

15 Novembro 2008 | 07h48

A equipe de transição do presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, lançou um processo de seleção considerado um dos mais rigorosos da história para preencher 8 mil vagas que serão oferecidas na gestão do futuro governo americano. Os candidatos terão de responder a um questionário de sete páginas com 63 perguntas que "vasculham" todos os detalhes da vida pessoal e profissional dos interessados em trabalhar na Casa Branca a partir de janeiro. Candidatos a cargos mais altos terão de dar informações completas sobre discursos já proferidos, artigos ou blogs já publicados na internet e incluir links para todos os websites em que possam ser citados, incluindo os de relacionamento como o Facebook. Eles precisam listar todas as pessoas com as quais já moraram nos últimos dez anos, e responder se "já enviaram mensagens eletrônicas como emails ou mensagens pelo celular que sugiram conflito de interesses ou possam representar um constrangimento para o candidato, sua família ou para o presidente eleito caso venham a público". O processo de seleção ainda quer saber "todos os nomes ou apelidos que o candidato já tenha usado para se comunicar pela internet." Além disso, é preciso detalhar se possui alguma arma, se faz parte de grupos com orientações por cor, etnia, religião e orientação sexual. Com a medida, o presidente eleito quer se proteger de todas as formas para não repetir erros de administrações passadas. Linda Chavez, que seria a escolhida pelo presidente George W. Bush para ocupar a pasta da Secretaria do Trabalho foi descartada depois que veio a público que ela teria abrigado um imigrante ilegal. Zoe Bird teve que renunciar ao cargo de procuradora-geral do ex-presidente democrata Bill Clinton por razões semelhantes. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.