Obesidade agrava câncer de ovário, mostra pesquisa

Mulheres obesas enfrentam prognósticos piores se diagnosticadas com câncer de ovário, de acordo com estudo realizado pelo Centro Médico Cedar-Sinai, nos EUA, e publicado pela revista especializada Cancer nesta segunda-feira. De acordo com o trabalho, a obesidade encurta o período entre as recorrências da doença, que também leva as obesas à morte mais depressa do que mulheres que estavam com o peso ideal quando diagnosticadas. Nesse estudo, o médico Andrew Li e seus colegas examinaram dados de 216 pacientes com câncer epitelial de ovário, para identificar a relação entre obesidade, câncer de ovário, biologia do tumor e resultado do tratamento. Comparações entre mulheres obesas (35 em 216) e de peso ideal (108 de 216) mostraram que 29% das obesas e 10% das mulheres de peso normal tinham a doença localizada. Descobriu-se que a obesidade tinha uma correlação significativa com recorrência e mortalidade em mulheres com a doença em estágio avançado. As características celulares do tumor também parecem diferentes."São precisos mais estudos, mas nosso trabalho sugere que o tecido gordo produz um hormônio ou proteína que faz com que as células do câncer de ovário cresçam de modo mais agressivo", disse Li.

Agencia Estado,

28 de agosto de 2006 | 14h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.