Obesidade inviabiliza cada vez mais radiografias nos EUA

A obesidade não só causa problemas de saúde: ela limita o potencial do equipamento usado para diagnosticar esses problemas. Em 2005, a Sociedade de Radiologia da América do Norte (RSNA) chegou a realizar uma conferência especial com o tema "Obesidade: O Impacto na Radiologia".O principal pesquisador do assunto é o médico Raul Uppot, que avaliou laudos radiológicos registrados entre 1989 e 2003 e que foram classificados como limitados pelo tamanho do paciente. A proporção de laudos dados como "limitados", nos Estados Unidos, praticamente dobrou nos 15 anos cobertos pelo estudo, 0,1% em 1989 para 0,19% em 2003.A técnica de produção de imagem que mais sofre com a obesidade é o ultrassom abdominal (1,5% de laudos limitados), seguido pela radiografia do peito (0,08%). Já a tomografia computadorizada e a ressonância magnética sofrem limitações por conta do peso máximo que o equipamento é capaz de suportar e o tamanho da área projetada para acomodar o paciente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.