Observadores da UE endossam resultado a eleição na Argélia

Observadores da União Europeia endossaram neste sábado a eleição parlamentar da Argélia, na qual saiu vencedor o partido governista, confirmando assim um resultado que segue em direção oposta à maré das revoltas da "Primavera Árabe".

REUTERS

12 Maio 2012 | 10h31

Alguns grupos oposicionistas manifestaram a suspeita de que a votação foi manipulada, embora as autoridades neguem que tenha ocorrido fraude.

O chefe da missão de observadores da UE na Argélia, José Ignacio Salafranca, disse que houve falhas em alguns aspectos técnicos da eleição. "Mas houve tantos pontos positivos, como pontos fracos", afirmou.

"Esta eleição constitui um primeiro passo no caminho da reforma que ela deve conduzir… para o aprofundamento da democracia e dos direitos humanos", disse ele em entrevista à imprensa.

Quando lhe perguntaram sobre as acusações de fraude eleitoral, feitas por alguns grupos, Salafranca respondeu que a Argélia tem em vigor um sistema para apontar qualquer violação e, se de fato isso ocorreu, caberia ao Judiciário decidir que medidas tomar.

A Frente de Libertação Nacional (FLN), partido do presidente Abdelaziz Bouteflika, conquistou 220 das 462 cadeiras do Parlamento.

O partido RND, liderado pelo primeiro-ministro Ahmed Ouyahia, ficou em segundo lugar e uma aliança de islamistas moderados, ligada ao regime governante, em terceiro, de acordo com os resultados oficiais.

(Reportagem de Christian Lowe)

Mais conteúdo sobre:
ARGELIA ELEICOES UE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.