Ocupação da Funasa por índios no MT supera 24 horas

Passa de 24 horas o tempo de ocupação da sede da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) em Cuiabá por aproximadamente 300 índios das etnias irantxe, myky e umutuna. O prédio foi invadido ontem e os indígenas prometem ficar no local por tempo indeterminado, caso as reivindicações não sejam atendidas. Dos 120 funcionários, apenas cinco são liberados para entrar no prédio, entre eles o chefe do Distrito Indígena de Cuiabá (Dsei), Paulo Almeida. Os índios reclamam do repasse de verbas para a saúde das aldeias, que está atrasado devido à falta de prestação de contas da Organização Não-Governamental (ONG) Operação Amazônia Nativa (Opan), conveniada com a Funasa para prestar serviços médicos aos índios. "Não estamos tendo nenhum tipo de atendimento", reclamou o líder indígena Gilson Irantxe. A Funasa informou que os serviços médicos estão sendo mantidos nas aldeias. A assessoria de imprensa confirmou que enquanto a Opan não prestar contas dos gastos feitos desde janeiro, os cerca de R$ 800 mil que deveriam ser depositados em maio não serão repassados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.