Odilo Scherer agradece pelo pontificado de Bento XVI

O cardeal-arcebispo de São Paulo, d. Odilo Scherer agradeceu a Deus pelo pontificado de Bento XVI e convidou os fiéis a renovar sua crença na "Igreja una, santa, Católica e apostólica" , durante missa celebrada na Catedral da Sé, na véspera do conclave que elegerá um novo papa nas próximas semanas. "A Igreja consegue rejuvenescer e reflorescer, com a ação do Espírito Santo, mesmo quando demonstra cansaço", afirmou o cardeal durante a cerimônia em comemoração da Cátedra de Pedro, festa do calendário litúrgico que ganhou força e solenidade, este ano, por causa da renúncia de Bento XVI.

JOSÉ MARIA MAYRINK, Agência Estado

22 de fevereiro de 2013 | 18h18

Ao lado do cardeal d. Cláudio Hummes, prefeito emérito da Congregação do Clero no Vaticano e ex-arcebispo de São Paulo, d. Odilo insistiu na renovação da fé, ao pedir aos católicos que não deixem de confiar na Igreja, sempre lembrando o gesto de Bento XVI. Na próxima semana, ele d. Cláudio viajarão para Roma, a fim de participar do conclave.

Ao falar da renúncia do papa, d. Cláudio disse que experimentou um grande sentimento de perda, pelo fato de ter convivido de perto com Bento XVI durante os quatro anos que trabalhou junto dele em Roma. "Viajei no avião dele, quando veio ao Brasil em 2007", disse o cardeal. Por causa dessa proximidade, observou o cardeal, foi possível conhecer a personalidade do papa e, agora, compreender a decisão que tomou.

Dos cinco cardeais brasileiros que são eleitores, os quatro que vivem no País - d. Cláudio, d. Odilo, d. Geraldo Majella Agnelo (arcebispo emérito de Salvador) e d. Raymundo Damasceno Assis (arcebispo de Aparecida) - vão viajar para Roma nos próximos dias, a fim de participar da reunião de despedida de Bento XVI com os cardeais, na manhã do dia 27. O outro brasileiro é d. João Braz de Avis, prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, que mora em Roma.

D. Cláudio disse que o conclave poderá começar antes de 10 de março, mas não muito antes, porque algumas medidas de logística precisarão ser tomadas, depois de ser anunciada a convocação. "Ainda não recebi nenhuma correspondência a respeito do conclave, porque qualquer decisão só poderá ser tomada após a saída do papa", observou.

Depois da missa, o governador Geraldo Alckmin, que assistiu à cerimônia ao lado da primeira-dama, Lúcia Alckmin, brincou quando um repórter perguntou se esperava que d. Odilo fosse eleito papa. "Estou torcendo", disse, sorrindo. Cerca de 2,500 lotaram a igreja para rezar em intenção de Bento XVI.

Tudo o que sabemos sobre:
papamissaOdilo Scherer

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.