OIE pede mais investimentos na luta contra a gripe aviária

O diretor-geral da Organização Internacional da Epizootias (OIE), Bernat Vallat, pediu nesta quinta-feira uma nova conferência, ainda este ano, para aumentar os investimentos da comunidade internacional na luta contra a gripe aviária.Vallat disse que seria conveniente uma nova conferência de doadores. Desde a última, realizada em Pequim, em janeiro, o orçamento necessário para ajudar "os países pobres a eliminar a doença vem "aumentando".No fórum de doadores de Pequim, a comunidade internacional se comprometeu a contribuir com US$ 1,9 bilhões para erradicar o H5N1.Segundo Vallat, quando foi calculado o valor da ajuda financeira ainda não havia notícias da expansão do vírus em países do Oriente Médio e da África. Por isso, explicou, agora são necessárias mais doações."Seria bom realizar outra conferência ainda este ano para avaliar o que foi feito com os recursos acertados em Pequim" e as ações necessárias em 2006 ou em 2007, afirmou Vallat. "Há muito o que fazer", acrescentou.BloqueioO dirigente da OIE reclamou da demora da Comissão Européia para desbloquear os fundos prometidos pela União Européia. Em Pequim, a UE anunciou que cederia US$ 120 milhões (100 milhões de euros). A ajuda, somada a ofertas individuais de seus países-membro, chegaria a quase US$ 260 milhões (216 milhões)."Aparentemente, na semana passada a Comissão tentou acelerar a liberação dos recursos, mas a OIE ainda não recebeu nada do que foi prometido", cobrou Vallat.Em compensação, as medidas da UE para evitar a expansão da gripe aviária no seu território, segundo Vallat, "são as melhores do mundo". Ele afirmou que é preciso comparar o número de focos na Europa com a situação grave no sudeste asiático e no Oriente Médio.O vírus H5N1 foi detectado em aves selvagens de 12 países do bloco europeu e em fazendas de dois deles (França e Suécia). Na Ásia, 104 pessoas já morreram por causa da gripe aviária.

Agencia Estado,

30 de março de 2006 | 19h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.