Oiticica: 70% das sobras do incêndio serão salvas

Família chegou a declarar que 90% estaria perdido, mas MinC fez coletiva ontem para dar boas notícias

Fabiana Cimieri, RIO, O Estadao de S.Paulo

31 Outubro 2009 | 00h00

Representantes do Ministério da Cultura e da família do artista plástico Hélio Oiticica (1937-1980) estimam que pelo menos 70% do acervo do artista poderá ser restaurado pelos cinco técnicos do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) que trabalham na recuperação das obras. Elas foram atingidas por um incêndio na casa onde estavam guardadas, no bairro Jardim Botânico, na Zona Sul do Rio, há duas semanas.

Segundo o secretário-executivo do Ministério da Cultura (Minc), Alfredo Manevy, os técnicos conseguirão salvar trabalhos importantes de Oiticica, como "metaesquemas", "bólides" e obras de sua participação no Grupo Frente. Eles fazem parte do grupo de 2.200 obras que poderão ser recuperadas. Logo depois do incêndio, parentes do artista chegaram a imaginar que a maioria do acervo tivesse sido destruída. Cerca de 90% das obras de Oiticica estavam guardadas na casa que pegou fogo.

O trabalho que os técnicos do Ibram estão fazendo agora é o de desumidificar os trabalhos atingidos pela água usada para apagar o incêndio. Para isso, estão sendo usados secadores emprestados por museus de todo o País. O próximo passo será restaurar as peças queimadas.

Algumas obras não poderão ser recuperadas, como os "monocromáticos" e "parangolés". No caso desses últimos, no entanto, a ideia é criar réplicas do trabalho original do artista. "Os parangolés trabalham o conceito de interatividade. Nesse sentido, a reconstrução talvez seja mais original do que o original",disse César Oiticica Filho, curador do Projeto Oiticica.

O secretário de Política Cultural do MinC, José Luiz Herência, anunciou o apoio do governo a uma mostra sobre o artista em 2010. "Queremos fazer uma homenagem e popularizar a obra do Hélio, levando-a a todas as regiões do País." A exposição deve começar em março, por São Paulo, e seguir para Brasília, onde fará parte das comemorações dos 50 anos da capital.

Segundo ele, um curto circuito no desumidificador é uma das hipóteses para o incêndio. "Essa tragédia aconteceu em relação ao acervo de uma família que sempre conseguiu guardar as obras em condições e normas próximas do ideal", disse o secretário do MinC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.