Jason Bean/Pool via The New York Times
Jason Bean/Pool via The New York Times

Depois de nove anos, O.J. Simpson deixa penitenciária em Nevada

Ex-jogador foi solto à meia-noite ‘em um esforço para garantir a segurança pública e reduzir o potencial de incidentes’, segundo Departamento de Correções

O Estado de S.Paulo

01 Outubro 2017 | 05h58
Atualizado 01 Outubro 2017 | 16h31

LOS ANGELES, EUA - O ex-jogador de futebol americano O.J. Simpson, réu do “julgamento do século”, foi libertado no início deste domingo, 1.º, de uma prisão em Nevada, onde estava desde 2008 cumprindo pena por assalto à mão armada, disseram autoridades da penitenciária.

+ Acervo: Relembre a cobertura do 'Estadão' do caso

O Departamento de Correções de Nevada postou um vídeo de sete segundos no Facebook, mostrando que Simpson foi libertado. Ele foi solto à meia-noite “em um esforço para garantir a segurança pública e reduzir o potencial de incidentes”, disse o Departamento em uma breve declaração que acompanhou o vídeo e uma foto mostrando Simpson assinando alguns documentos.

O advogado de Simpson, Malcolm LaVergne, disse por mensagem de texto na manhã de domingo que “todas as informações relacionadas ao paradeiro de Simpson são confidenciais até segunda-feira pelo menos”.

O ex-jogador usava um boné azul de beisebol, calça e jaqueta jeans e tênis brancos ao atravessar a porta para a liberdade, depois que uma mulher que parecia ser uma guarda da prisão disse: “Aqui vai você, saia”. Outro guarda da prisão, um homem, disse algo inaudível para o qual Simpson, se afastando e não voltando a se dirigir a ele, disse apenas “ok”.

Simpson, de 70 anos, ganhou sua liberdade condicional em julho, depois de nove anos atrás das grades, em uma audiência que não levou em consideração seu julgamento nos anos 1990 pelo assassinato de sua ex-mulher Nicole Brown Simpson e o amigo Ron Goldman.

A ex-estrela de futebol americano profissional não foi condenado em 1995, depois de seu julgamento de 13 meses em Los Angeles, que foi televisionado ao vivo diariamente e atraiu grande atenção no país e do mundo. Um júri do tribunal civil posteriormente o considerou responsável pelas mortes e ordenou o pagamento de US$ 33,5 milhões em danos às famílias das vítimas.

O destino de Simpson ainda não está claro. Ele disse aos membros do conselho de liberdade condicional que espera se mudar para a Flórida, onde tem amigos e família, um plano que deve ser aprovado pelas autoridades de liberdade condicional locais.

LaVergne tinha dito à emissora ABC que, quando fosse libertado, o ex-jogador iria "quer comer frutos do mar, um filé, desfrutar desses pequenos prazeres que não teve em nove anos". E isso inclui, ainda, o último modelo do celular iPhone. / REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.