Óleo não foi encontrado no mar do ES, diz Petrobras

A Petrobras informou na noite desta quinta-feira que não encontrou mancha de óleo nas proximidades da plataforma P-57 e que todas suas unidades no litoral do Espírito Santo "operam dentro da normalidade".

REUTERS

17 Maio 2012 | 21h13

O comunicado foi feito logo após a ANP (Agência Nacional do Petróleo), órgão regulador do setor, informar que não havia registrado nenhuma mancha, depois de um voo que realizou na região em conjunto com a Marinha Brasileira.

"A Petrobras, a partir de notícia de suposta mancha de óleo nas proximidades da plataforma P-57, procedeu esta tarde, à verificação in loco e confirma a normalidade de suas operações na região", informou a empresa.

Segundo a estatal, "todos os sistemas de controle das unidades marítimas de produção e de perfuração a serviço da companhia no litoral do Espírito Santo" funcionam sem problemas.

Por solicitação da Capitania dos Portos do Espírito Santo, a Petrobras realizou sobrevoo no final da manhã desta quinta-feira e "não foi constatada mancha de óleo na região", disse a empresa.

A presença de óleo em alto-mar teria sido identificada pela própria Marinha, que informou mais cedo que "uma equipe de inspeção naval da Capitania dos Portos do Espírito Santo foi deslocada para área para verificar a extensão da mancha", nas proximidades da plataforma P-57, no campo de Jubarte.

O Ibama, órgão federal de proteção ao meio-ambiente, disse mais cedo nesta quinta-feira que foi informado pela Petrobras na quarta-feira sobre um possível derramamento.

Petroleiros voltando do trabalho relataram uma mancha de aproximadamente um quilômetro no oceano perto da plataforma P-57, operada pela Petrobras, segundo informou nesta quinta-feira o jornal Folha de S.Paulo.

Procuradas, nem Petrobras nem ANP estavam disponíveis para esclarecer a hipótese de que a mancha tenha existido e que pudesse ter sido dispersa por algum procedimento.

A P-57, convertida em plataforma a partir de um navio-tanque, opera no campo de Jubarte a cerca de 85 quilômetros da costa.

Jubarte é o quarto maior campo produtor no país. Quando soma-se o gás natural, Jubarte produz o equivalente a 198 mil barris de petróleo por dia.

As ações preferenciais da Petrobras, as mais negociadas da companhia, caíram 4,46 por cento na quinta-feira a 18,43 reais na Bolsa de São Paulo, cotação mais baixa desde outubro. No mesmo dia, o Ibovespa fechou com queda de 3,31 por cento.

(Por Sabrina Lorenzi e Jeb Blount)

Mais conteúdo sobre:
ENERGIA PETROBRAS ES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.