Oleoduto na Colômbia é atacado, mas não afeta exportações--fonte

O oleoduto colombiano Cano Limon-Covenas, que transporta cerca de 80 mil barris de petróleo por dia, foi atacado, mas as exportações não foram afetadas, afirmou uma fonte da estatal Ecopetrol neste sábado.

REUTERS

26 de fevereiro de 2011 | 15h57

O duto, com extensão de 770 quilômetros, transporta petróleo cru do departamento de Arauca, na fronteira entre Colômbia e Venezuela, para o porto de Covenas, na costa do Atlântico. Ele não operava em sua capacidade máxima de 225 mil barris ao dia.

"O ataque aconteceu no dia 25 de fevereiro, às 4h57 da madrugada... no departamento Norte de Santander... o duto não estava transportando petróleo cru no momento pois havia parado de funcionar por razões técnicas", disse uma fonte da companhia à Reuters.

"A produção para exportação não foi afetada", afirmou.

A fonte disse que, devido ao mau tempo, uma equipe de manutenção ainda não chegou à área para avaliar os danos.

No início de fevereiro, o funcionamento do oleoduto Transadino, com capacidade de transportar 48 mil barris diários foi suspenso por alguns dias por dois ataques de bombas, que podem ter vindo de rebeldes.

A Colômbia, quarto maior produtor de petróleo da América Latina, teve uma queda brusca na violência provocada pela longa guerra contra rebeldes, que foram repetidamente combatidos por uma ofensiva apoiada pelos Estados Unidos. Mas as guerrilhas ainda atacam, ocasionalmente, oleodutos em áreas remotas.

(Reportagem de Jack Kimball)

Tudo o que sabemos sobre:
COLMBIAOLEODUTOATAQUE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.