Olimpíada premia melhores alunos de história do Brasil

Cerca de 1,3 mil estudantes de escolas públicas e particulares participaram neste fim de semana da etapa final da 3.ª Olimpíada Nacional de História do Brasil, na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). A prova final foi realizada no sábado e a premiação das 75 equipes vencedoras - 15 medalhas de ouro, 25 de prata e 35 de bronze - ocorreu ontem.

ROSE MARY DE SOUZA, ESPECIAL PARA O ESTADO, CAMPINAS, O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2011 | 03h04

"Fácil não foi", contou Larissa Carvalho, de 17 anos, do Colégio Oficina, de Salvador (BA). Para Larissa, foi pedida na prova uma reflexão de um capítulo da obra Sobrados e Mucambos, de Gilberto Freire. Acompanhada da professora de história Cristina Souto e dos colegas João Pedro Santana, de 16, e Raquel dos Santos, de 17, a equipe ficou com uma medalha de ouro.

A competição, organizada pelo Museu Exploratório de Ciências da Unicamp, começou em agosto, com um recorde de 65 mil alunos inscritos de quase todos os Estados do País. As quatro fases eliminatórias foram realizadas via internet.

Neste sábado, 300 equipes compostas por três alunos e um professor fizeram uma prova escrita. Para ajudar na resolução das questões, a organização colocou à disposição documentos e textos. Havia também sugestões de leitura para a preparação.

Para cada questão, eram oferecidas cinco alternativas - uma errada e quatro certas, mas uma mais completa do que as outras. O grupo tinha de identificar a errada e justificar qual era a mais completa. "Isso valoriza a interpretação do aluno", elogiou o professor Eder Mendes, de Anápolis (GO).

A coordenadora da competição, Cristina Meneguello, festejou o aumento do número de participantes neste ano. Na primeira edição, em 2009, foram 16 mil inscritos e na segunda, no ano passado, 43 mil. "O aluno que entender o passado vai também entender o presente."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.