OMS ainda considera iminente pandemia da gripe H1N1

Uma pandemia da gripe H1N1 ainda é "iminente" apesar de não ter havido um surto sustentável fora da América do Norte, afirmou Michael Ryan, diretor de Alerta e Resposta Global da Organização Mundial de Saúde (OMS), neste sábado.

REUTERS

02 de maio de 2009 | 13h32

Ryan disse que ainda é provável que o nível de alerta seja elevado de 5 para 6, escala máxima.

"Nós não temos indícios de uma proliferação sustentada fora da América do Norte", afirmou ele à imprensa. "Nós ainda estamos na Fase 5.

"No atual momento eu ainda diria que uma pandemia é iminente, porque nós estamos vendo a doença se espalhar", acrescentou Ryan. "Neste ponto, nós temos que esperar que a fase 6 será alcançada, temos que ter esperança que ainda não tenha sido".

A diretora-geral da OMS, Margaret Chan, elevou na quarta-feira o nível de alerta de pandemia de 4 para 5, medida que incentivou os esforços de empresas farmacêuticas para produzir medicamentos antivirais e encontrar uma vacina para combater a nova variação do vírus, amplamente conhecida como gripe suína.

O nível 5 indica que uma pandemia é "iminente".

A OMS ainda planeja seguir em frente com a Assembleia Mundial de Saúde neste mês, evento anual que reunirá ministros da Saúde e autoridades do mundo inteiro em Genebra.

"Não há planos de cancelar ou adiar ou restringir ou limitar a Assembleia Mundial de Saúde", disse Ryan.

(Reportagem de Laura MacInnis)

Tudo o que sabemos sobre:
GRIPEOMSPANDEMIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.