OMS pede por medidas para reduzir taxa global de suicídios de 800 mil por ano

Mais de 800.000 pessoas cometem suicídio por ano no mundo -cerca de uma a cada 40 segundos-, muitas delas por envenenamento, enforcamento e uso de armas de fogo, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quinta-feira.

KATE KELLAND, REUTERS

04 Setembro 2014 | 11h23

Em seu primeiro relatório global sobre prevenção de suicídio, a agência de saúde da ONU disse que cerca de 75 por cento dos suicídios acontecem em países pobres ou de renda média, e pediu por mais ações para reduzir o acesso a meios comuns de suicídio.

O relatório descobriu que os suicídios acontecem em todo o mundo e em quase todas as idades. Globalmente, as taxas são maiores nas pessoas acima de 70 anos, mas, em alguns países, as maiores taxas estão entre os jovens.

No grupo de 15 a 29 anos, o suicídio é a segunda principal causa de morte globalmente.

A diretora-geral da OMS, Margaret Chan, disse que o relatório era um “pedido por ações para tratar de um grande problema de saúde pública que tem sido envolto em tabu por tempo demais".

Envenenamento por pesticidas, enforcamento e uso de armas de fogo estão entre os métodos mais comuns de suicídio globalmente, segundo o relatório, e evidências da Austrália, Canadá, Nova Zelândia, Estados Unidos e Europa mostram que restringir o acesso a estes meios pode ajudar a evitar que as pessoas se matem.

Governos também devem estabelecer planos nacionais de prevenção, disse o relatório, notando que atualmente apenas 29 países reconhecidamente têm tal estratégia.

O relatório descobriu que, em geral, morrem mais homens do que mulheres em suicídios. Em países mais ricos, três vezes mais homens se matam do que mulheres, e homens acima de 50 anos são particularmente vulneráveis.

Em países pobres e de renda média, jovens e mulheres idosas têm maiores taxas de suicídios do que nas nações ricas, segundo o relatório. E mulheres com mais de 70 anos tem o dobro de chance de se suicidarem do que mulheres entre 15 e 29 anos.

“Não interesse onde um país se posiciona na prevenção de suicídios, medidas eficazes podem ser tomadas, mesmo quando começadas em um nível local e em pequenas escala”, disse Alexandra Fleischmann, pesquisadora do departamento de saúde menta e abuso de substâncias da OMS.

O relatório foi publicando antes do dia mundial de prevenção ao suicídio, em 10 de setembro.

Mais conteúdo sobre:
GERALOMSSUICIDIOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.