OMS refém de doadores preocupa países

GENEBRA

, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2011 | 00h00

Incômodo, mas hoje fundamental para a saúde. Bill Gates provoca tanto temor quanto sentimentos de gratidão. Sozinha, sua fundação garante uma parte fundamental do orçamento que a OMS precisa para realizar suas operações pelo mundo. Mas o temor é de que doadores privados acabem impondo suas visões sobre como tratar da saúde.

A entidade passa por sua pior crise econômica em décadas, tendo de cortar 15% de seus funcionários e com um déficit de US$ 200 milhões.

Gates abriu sua fundação em 2000, com a promessa de dar US$ 37 bilhões para a saúde mundial, de um total de sua fortuna de US$ 57 bilhões. Não por acaso, na porta da ONU, era o único a ter uma vaga reservada para seu carro, enquanto ministros de todo o mundo tinham de esperar em filas. "É uma honra ter o senhor aqui", afirmou Margaret Chan, diretora da entidade.

Mas nem todos concordam com essa visão. O Brasil, por exemplo, teme que a entidade fique refém de doadores que adotam um modelo de saúde que não atenderia à visão dos países emergentes.

Pesquisadores da Universidade Harvard publicaram há um mês um artigo na revista PLoS Medicine afirmando que os laços corporativos de fundações como a de Gates podem produzir graves conflitos de interesse.

O trabalho afirma, por exemplo, que boa parte dos US$ 29,6 bilhões administrados pela Fundação Gates, em 2008, foram investidos em ações de indústrias farmacêuticas e alimentícias. Os dividendos seriam reinvestidos nos projetos filantrópicos. Segundo os autores do artigo, tal estrutura de financiamento tornaria a fundação um ator pouco isento nas discussões de políticas globais de saúde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.