Onde fica Artesanato fino, estilo argentino

Vou confessar que fiquei na dúvida se a La Guapa, aberta em abril no Itaim Bibi, seria mesmo uma boa recomendação para os leitores da coluna. Não por causa da comida, que é excelente. Mas porque se trata de uma casa pequena, com um balcão apertado e uma mesa coletiva. Que parece muito mais conveniente para uma refeição rápida do que para um almoço ou um jantar com mais conforto - pois, na média, imagino que seja isso que esperam da minha resenha semanal. Felizmente, eu mesmo tinha os contra-argumentos. Se nunca fiz distinção de restaurantes por critérios como luxo ou localização; se já escrevi inclusive sobre caminhão de comida; e se, em minhas visitas, me deliciei com seus quitutes e sobremesas, por que não dividir isso com os leitores?

Eu só queria jantar: Luiz Américo Camargo, O Estado de S.Paulo

12 Junho 2014 | 02h07

Então, vamos lá. A La Guapa é a casa de empanadas aberta por Paola Carosella, do Arturito, em sociedade com Benny Goldenberg, do Mangiare. São sete variedades, custando R$ 6,30 cada, mais uma opção de salada (muito boa, melhor ainda com queijo da Serra da Canastra e noz-pecã, R$ 12,90) e três sugestões de sobremesa. O cliente faz suas escolhas, paga no caixa e espera o pedido ficar pronto - o que coincide, mais ou menos, com o tempo de surgir um assento livre. Quantas unidades são suficientes? Duas ou três para começar, quem sabe. Eu, que provei os sete tipos, acho que cabem mais, e já explico o porquê.

Paola Carosella prepara uma empanada de chef. Assenhorou-se de uma especialidade tradicional, deu uma volta a mais no parafuso e, no La Guapa, serve um produto que é o estado da arte em massa (feita com banha de porco) e recheio, em acabamento e cocção. Isso vale tanto para a "salteña", com carne, azeitona, ovo caipira e batata cozida, como para a "cremosas de espinafre", com brócolis e mussarela; tanto para a de frango caipira com legumes como para a "porteñas", com três queijos e tomate assado. Por vezes, elas parecem quase queimadas, mas não estão: apenas refletem a segurança de quem não tem medo do forno, de quem sabe que os melhores sabores emanam das crostas bem douradas.

Mas as sobremesas também justificam a visita. Prove o sorvete de doce de leite (R$ 8, uma bola) e o tabletón (R$ 12), um alfajor gigante e para ser fatiado, crocante, com doce de leite, cacau, chantilly. Ambos são fartos, opulentos. Quando chegamos na última colherada, talvez pareçam até excessivos, como se a saturar as papilas com tamanha exuberância. Porém, isso é algo que só se percebe quando não resta mais nenhum vestígio, mais nada a ser raspado pelo talher.

Por que este restaurante?

Porque é uma boa novidade. Pelas empanadas e sobremesas de qualidade.

Vale?

Sim, vale. Cada empanada custa R$ 6,30. Mesmo pedindo várias (não são grandes) e sobremesa, gasta-se abaixo dos R$ 50. A menos que tome vinho, que é caro, considerando a proposta geral. São duas opções, um branco e um tinto, R$ 20 a taça. O copo custa mais, por exemplo, do que o menu Guapa, que inclui duas empanadas, salada e água (ou refrigerante) e sai a R$ 19.

La Guapa

R. Bandeira Paulista, 446, Itaim-Bibi, 3079-2631. 10h/22h (sáb., 12h/20h; fecha dom.). Cc.: todos. Estac.: Não tem (mas há várias estacionamentos nos arredores).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.