ONG foi pivô da queda de ex-ministro do Trabalho

Fundação Pró-Cerrado recebeu R$ 13,9 milhões da pasta; escândalo causou a demissão de Carlos Lupi (PDT)

O Estado de S.Paulo

04 de fevereiro de 2012 | 03h07

A Funcer é presidida por Adair Meira, dono da Fundação Pró-Cerrado - ONG com contratos suspeitos com o Ministério do Trabalho. A organização, que recebeu repasses de R$ 13,9 milhões da pasta, foi pivô do escândalo que valeu o cargo do então ministro do Trabalho Carlos Lupi (PDT). Um voo que Lupi fez a bordo do avião de Meira desmentiu a versão do ministro de que ele não conhecia o empresário.

Em 2003, o Ministério Público determinou a intervenção da Funcer por conta de corrupção. Em 2010, um interveniente acabou afastado pelo mesmo motivo: suspeita de fraude.

A Funcer, que segue sob intervenção, nega que haja irregularidade no convênio de R$ 10 milhões. Meira não foi encontrado pela reportagem.

De acordo com o professor Antonio Fernandes Junior, que dirigia a Funcer no ano passado e faz parte da Pró-Cerrado, o valor está em uma conta, aguardando liberação. "Acontece que, com a troca de governo (quando Marconi Perillo assumiu, em 2011), novos membros da Controladoria-Geral do Estado argumentaram contra o governo", defende ele. "É uma guerra política."

A representação do MP cita outras irregularidades. Em um dos casos, a universidade subcontratou a Funcer para a realização de um concurso público da Saneago, companhia de saneamento de Goiás. Teria deixado de repassar R$ 662 mil, referentes a 90% do valor das inscrições.

A UEG também permitiu que a fundação utilizasse infraestrutura e recursos humanos para execução de contratos e convênio. "Ficando a cargo da Funcer apenas a movimentação financeira", como cita a representação do MP. / P.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.