Ônibus da Cristolândia resgata 114 viciados

Dois policiais militares chegam com armas em punho apontadas para um grupo de usuários de crack na Rua dos Gusmões, na cracolândia, centro de São Paulo. Apesar da violência da cena, o pastor Humberto Machado, de 54 anos, coordenador da Cristolândia, a observa impassível diante do volante do ônibus que a entidade usa para percorrer as ruas do centro nas madrugadas.

BRUNO PAES MANSO, Agência Estado

22 Abril 2012 | 09h51

Alertado pela reportagem, Machado justifica a postura dos PMs. "Foi por causa de uma briga de rua", observa, sem dar tanta importância ao fato. Assim segue, noite adentro, a chamada Trans-Cristolândia: despolitizada, pragmática, com mais de 40 missionários evangélicos que se juntaram dentro de um ônibus com o objetivo de retirar das ruas 200 usuários de crack ao longo da semana. Na base do sopão e ao som de pagode. Ou melhor: do praGod, nome que deram aos hinos evangélicos em ritmo de samba.

Até ontem, com suas incursões noturnas no ônibus pintado de preto, o grupo já havia retirado das ruas 114 pessoas desde terça para enviar a centros no interior e na Grande São Paulo. Outras 60 seriam mandadas nos próximos dias para iniciar a primeira fase do processo de desintoxicação. Foram servidos 400 cafés da manhã e 400 almoços.

Por outro lado, no Complexo Prates, da Prefeitura, havia anteontem 68 adultos dormindo, em abrigo onde cabem 120 pessoas. "Fui no Complexo da Rua Prates e até me senti mal com a grande quantidade de seguranças de terno na porta de entrada", diz o pastor. De fato. A reportagem esteve no local na sexta-feira: havia oito seguranças de terno e radinhos. Acabou sendo barrada na entrada.

A eficiência das abordagens e do tratamento chama a atenção de outras religiões. Na Paixão de Cristo, organizada na Semana Santa pelo padre Julio Lancellotti, os evangélicos da Cristolândia animaram toda a via-crúcis com seu praGod. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
cracolândiavício

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.