Ônibus parte de Londres com destino à Austrália

Viagem de 24 mil quilômetros vai durar três meses e passar por 20 países.

BBC Brasil, BBC

16 de setembro de 2007 | 13h40

Um ônibus partiu neste domingo, de Londres, na Inglaterra, levando 39 passageiros para Sydney, na Austrália.A viagem de 24 mil quilômetros, organizada pela empresa Ozbus, é só de ida e vai durar três meses, passando por 20 países. A passagem custa 3.750 libras (cerca de R$ 14 mil).O ônibus vai parar todas as noites para que os passageiros passem a noite em um hotel, ou em barracas, acampando. No caminho, eles também vão parar no sopé do Monte Everest e em Uluru (Ayers Rock), no deserto australiano.Entre os passageiros está uma avó de 66 anos, que planeja voltar para a Inglaterra em um navio de carga.O autor da idéia, o australiano Mark Creasey, afirma que esta é uma maneira ecologicamente correta de atravessar o globo, criando apenas uma fração das emissões de carbono liberadas por um avião fazendo a mesma rota.A viagem envolve quatro balsas e apenas um vôo curto, no trecho final, entre o Timor Leste e a Austrália.Segundo o diretor de operações da Ozbus, Andrew Kelliher, a empresa ficou impressionada com a popularidade da viagem que ele acredita ser o primeiro serviço de ônibus regular entre Londres e Sydney.Segundo ele, a viagem só é possível agora graças às melhorias nas estradas da Indonésia."Algumas pessoas já tinham viajado para a Austrália de caminhão, mas antes, as estradas de terra da Indonésia não permitiam que a gente usasse um ônibus."Além da Indonésia, o ônibus vai passar pelo Nepal, China e Malásia, entre outros países.Kelliher e Creasey passaram os últimos 12 meses preparando a viagem a ser feita em um ônibus de fabricação belga, especial para longas viagens."As pessoas estão acostumadas a viajar para a Austrália de avião e não vêem nada pelo caminho. Deste jeito, você pode parar e olhar as coisas. É bastante inovador", disse Kelliher.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.