Ônibus são escoltados após ataques em Piracicaba

Os ônibus que atendem bairros periféricos de Piracicaba, no interior de São Paulo, estão circulando em comboios escoltados pela Guarda Municipal nesta quinta-feira, 12. Agentes do serviço reservado da Polícia Militar viajam infiltrados entre os passageiros. Na última semana, cinco ônibus foram incendiados e há ameaças de novos ataques. Os usuários reclamam que apenas uma parte da frota está circulando pela cidade e com ônibus superlotados.

JOSÉ MARIA TOMAZELA, Agência Estado

12 de setembro de 2013 | 17h37

O transporte coletivo enfrenta problemas desde que o primeiro ônibus foi incendiado após um rapaz ser morto pela Polícia Militar, no Jardim Esplanada. No último sábado, 7, pelo menos 15 pessoas com os rostos cobertos fizeram o ônibus parar, no Jardim Oriente, obrigaram os ocupantes a descerem e jogaram um coquetel molotov no interior do coletivo.

A circulação dos ônibus chegou a ser suspensa em toda a cidade. Na madrugada desta quinta-feira, 12, dois adolescentes foram detidos levando galões com gasolina, o que fez recrudescer o receio de novas ações. O policiamento na cidade foi reforçado com agentes de outras cidades.

Pelo menos um dos ônibus incendiados, da Viação Pauliceia, continua no mesmo local em que ocorreu o ataque, no bairro Sol Nascente. A empresa informou que a remoção atrasou em razão da perícia. De acordo com a prefeitura, os comboios com escolta circulam apenas nos bairros considerados de risco, como o Jardim Esplanada, Chapadão, Sol Nascente e Água Branca.

O Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Urbano de Piracicaba e Região informou que 70% da frota de 240 ônibus estão circulando durante o dia e 30% no período noturno. Segundo a prefeitura, com as escoltas, a frota está voltando às ruas e o transporte deve ser normalizado nos próximos dias. Os 450 motoristas prometem paralisar o serviço caso ocorram novos ataques.

Mais conteúdo sobre:
ônibusPiracicabaataques

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.