ONU chega a acordo básico sobre metas de corte de CO2

As nações industrializadas devem lutar para reduzir suas emissões entre 25% e 40% sobre o nível de 1990

Associated Press,

31 de agosto de 2007 | 15h23

Negociadores de 158 países chegaram a um acordo básico, nesta sexta-feira, 31, para metas de redução de emissão de gases do efeito estufa por parte  dos principais poluidores do mundo. Uma conferência sobre mudança climática da ONU concluiu que as nações industrializadas devem lutar para reduzir suas emissões entre 25% e 40% do nível de 1990 até 2020. Especialistas dizem que essa meta servirá como guia para a cúpula mundial da Indonésia, prevista para dezembro.   "Chegamos a um acordo amplo sobre as questões principais", disse um negociador de Grenada, Leon Charles, que ajudou a supervisionar os debates em Viena.   Delegados ainda trabalhavam, na noite desta sexta-feira (horário local) para vencer a resistência de diversos países - incluindo Canadá, Japão e Rússia - que preferem uma abordagem mais aberta, sem metas explícitas.   As metas para 2020 não são obrigatórias, mas serão vistas como um sinal importante de que as nações industrializadas levam a redução na emissão de dióxido de carbono e outros gases perigosos para o meio ambiente a sério.   O acordo desta sexta-feira busca amenizar a preocupação de que as metas de corte de emissões são ambiciosas demais para a capacidade de algumas nações. Mas o texto deixa claro que as emissões devem cair "a níveis muito baixos".   A conferência de Bali tentará criar um novo acordo global para a redução dos gases causadores do efeito estufa após 2012, quando expira o Protocolo de Kyoto. O acordo firmado no japão exigia que 35 nações industrializadas cortassem suas emissões em 5% sobre os níveis de 1990, até 2012.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.