ONU pode baixar sanções cem anos, diz Ahmadinejad

Presidente iraniano diz que não vai desistir de programa nuclear por punições.

Da BBC Brasil, BBC

23 Fevereiro 2008 | 21h30

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, disse que as Nações Unidas podem baixar quantas sanções quiserem que isso não vai fazer o país desistir do seu programa nuclear e exigiu um pedido de desculpas dos Estados Unidos."Se eles (a ONU) querem continuar pelo caminho das sanções, não seremos afetados. Eles podem baixar resoluções por cem anos", disse o líder iraniano, em entrevista à TV estatal do país.Os comentários foram feitos depois da publicação de um novo relatório das Nações Unidas que afirma que o Irã já se mostra mais transparente, embora ainda não tenha dado "garantias críveis" de que não tenta construir uma bomba atômica.O governo de Ahmadinejad já afirmou repetidas vezes ter apenas interesse em produzir eletricidade a partir da tecnologia nuclear. Após a publicação do relatório da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), a secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, disse existir um "argumento muito forte" para uma terceira resolução com sanções contra os iranianos. Rice disse que o relatório demonstra que as medidas do Irã para interromper o seu programa de enriquecimento de urânio são "inadequadas" e que o seu governo iria pedir novas punições na ONU. Nesta segunda-feira, os americanos se reúnem com os outros integrantes do Conselho de Segurança da ONU - a Grã-Bretanha, a China, a França e a Rússia - para decidir o que fazer sobre o caso.No entanto, Ahmadinejad saudou o relatório da AIEA como uma "vitória histórica" para o Irã. "Parabenizo Vossa Eminência e o povo iraniano pela vitória histórica do Irã em seu maior confronto com as forças opressoras desde a Revolução Islâmica (de 1979)", disse o presidente em mensagem ao líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, divulgada pela TV estatal do país. De fato, o relatório da ONU divulgado na sexta-feira elogia o Irã por autorizar visitas dos inspetores a locais que até então eram de acesso proibido.No entanto, o documento diz que o Irã continua "evasivo" em questões importantes e que ainda não respondeu adequadamente as alegações de que teria um programa secreto para transformar material nuclear em armamentos.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.