Operação da PF liga PCC ao Comando Vermelho

Três suspeitos de integrar o Primeiro Comando da Capital (PCC) foram presos na Operação Patente, desencadeada ontem e hoje pela Delegacia de Combate ao Trafico de Armas (Delearm) da Superintendência da Polícia Federal do Rio de Janeiro. A quadrilha era integrada por traficantes do Rio, um deles do Comando Vermelho (CV).

MARCELO AULER, Agência Estado

17 de junho de 2010 | 14h22

Segundo a PF, o primeiro a ser preso foi Benedito Ramos, o Tinho, que segundo o delegado Anderson Bichara era encarregado da logística do transporte das drogas e armas entre a fronteira com o Paraguai e o Rio de Janeiro. Agentes federais o prenderam ontem à tarde quando ele desembarcou no Aeroporto do Galeão a caminho de uma reunião com outros membros da quadrilha. Hoje sua mulher, Solange Sombra, e Anderson Tibério foram presos na capital paulista.

A quadrilha era comandada pelo traficante Lenildo da Silva Rocha, o Rodrigo ou o RD da favela Vila Ideal, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, que os policiais dizem pertencer ao CV. Há 10 dias em liberdade depois de cumprir pena por tráfico de drogas, ele também foi preso ontem em um restaurante de Copacabana, à espera de Tinho para uma reunião. Estavam no restaurante a advogada de RD, Eunice Fábio dos Santos, Cristiana Ferreira Maurício da Silva e Pablo Xavier.

Além de RD, outros cinco presos ajudavam a comandar a quadrilha do presídio. Todos tiveram novos mandados de prisão decretados pelo juiz Marcello Enes Figueira, da 6ª Vara Federal.

A quadrilha, segundo o delegado Enrico Zambrotti, tinha condições de trazer quinzenalmente 15 fuzis, além de pistolas, carregadores de fuzis, munição e drogas do Paraguai. As remessas eram feitas da cidade paraguaia de Capitan Bado, vizinha da brasileira Coronel Sapucaia. Há ainda três mandados de prisão a serem cumpridos, entre eles o de um paraguaio.

Tudo o que sabemos sobre:
tráficoRioComando VermelhoPCC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.