Operação integrada prende 436 pessoas em 20 Estados

A Operação Brasil Integrado, com atuação no Nordeste e nas fronteiras do País, prendeu 436 pessoas em 20 Estados em esforço concentrado feito nos dias 4 e 5 de novembro. Na ação, 5 toneladas de drogas foram apreendidas.

BERNARDO CARAM, Estadão Conteúdo

06 Novembro 2014 | 18h07

A operação envolveu as polícias Militar, Civil, Federal e outros órgãos. O efetivo usado no último fim de semana foi de mais de 20 mil agentes. Nos dois dias, também foram apreendidos 100 armas de fogo, 1,7 mil munições e 427 veículos. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou que a operação foi bem-sucedida e disse que as ações vão se intensificar. "Teremos políticas nacionais, integradas, com estradas vigiadas, fazendo-se um cerco às organizações criminosas", disse.

O projeto Brasil Integrado, que segue o modelo implantado durante a Copa do Mundo deste ano, é uma parceria entre o governo federal e os Estados. O Ministério da Justiça promete a expansão do sistema, com a implantação de Centros de Comando e Controle em todas as unidades federativas. Cardozo reforçou que a ampliação já está prevista no orçamento de 2015 e disse que uma ação envolvendo todos os Estados do País é esperada para este ano.

O ministro informou ainda que os Centros Integrados de Comando e Controle serão usados para monitorar o País durante as provas do Exame Nacional do Ensino Médio no próximo fim de semana.

PEC

Em coletiva de imprensa, o ministro voltou a defender a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional que muda o papel da União na segurança pública. Ele informou que o texto do projeto será enviado ao Congresso Nacional até o fim do ano.

"A União não pode invadir competências estaduais e municipais. A partir do momento que a União tiver competência para atuar nessa área, ela pode começar a estabelecer diretrizes. A União não precisará ter nenhum tipo de risco jurídico quando for atuar", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
operação Brasil Integrado prisões

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.