Operação policial na Rocinha, no Rio, prende 11

Um esquema de lavagem de dinheiro ligado ao tráfico de drogas levou à prisão de 11 pessoas e apreensão de cerca de três toneladas de maconha na Favela da Rocinha, em São Conrado, na zona sul do Rio de Janeiro. Segundo a Polícia Civil, as investigações, que tiveram início há seis meses, apontaram a utilização de pelo menos cinco empresas e "laranjas" no esquema. Os 30 mandados de prisão expedidos buscavam parentes e pessoas ligadas ao líder do tráfico de drogas na Rocinha, Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, que continua foragido.

TIAGO ROGERO, Agência Estado

19 de abril de 2011 | 15h21

Entre os presos, segundo o delegado Rafael Willis, da Divisão de Capturas e Polícia Interestadual (Polinter), está um assistente do principal braço direito de Nem na Favela da Rocinha. "Há também um taxista que, por transitar facilmente pela cidade, fazia uma ''ponte'' entre favelas dominadas pela mesma facção, levando traficantes ou armamento", disse. Para não comprometer o restante da operação, o delegado não quis revelar quem eram os presos e a relação de cada um com o líder do tráfico. "Com tudo que foi apreendido, calculamos um prejuízo de cerca de R$ 3 milhões para a quadrilha, que com certeza saiu enfraquecida".

Dentro da comunidade, os 200 policiais descobriram duas centrais clandestinas de TV a cabo, um depósito de eletrodomésticos roubados e uma fábrica de mídias falsificadas. Esta última, segundo o delegado de Repressão aos Crimes contra a Propriedade Imaterial, Alessandro Thiers, altamente organizada. "Mais de 1.700 CD''s e DVD''s piratas foram apreendidos no local, que contava com 36 gravadoras fazendo o trabalho e até câmeras de vigilância", disse.

Outro alvo da operação, o líder comunitário do bairro Barcelos, na Rocinha, Vandelan Barros de Oliveira, o Feijão, também não foi detido. A chefe da Polícia Civil do Rio, Martha Rocha, no entanto, considerou a operação um sucesso. "Tivemos uma ação cirúrgica, pontual, sem troca de tiros ou prejuízos para a comunidade", disse. Ela negou a possibilidade, levantada por moradores, de que a operação tenha vazado.

Mais conteúdo sobre:
operaçãopolíciaRioprisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.