Operação prende 26 e apura elo de policiais com caça-níqueis

Ao menos 11 dos detidos são policiais em cidades do interior paulista; ainda há 7 mandados a serem cumpridos

Solange Spigliatti, estadao.com.br

31 de março de 2009 | 13h31

Subiu para 26 o número de pessoas que foram presas nesta terça-feira, 31, na região de Jaú, no interior de São Paulo, acusadas de participar de um esquema de contrabando de peças de caça-níqueis. A exploração contava com a corrupção e apoio de policiais civis, segundo o Ministério Público. Entre os acusados estão três delegados - o ex-diretor do Deinter de Bauru, o delegado seccional da Polícia Civil de Jaú e um delegado de Rio Claro -, seis investigadores, um agente e um policial militar. O bando responde por formação de quadrilha, corrupção passiva, facilitação de contrabando e prevaricação.

 

A operação dos ministérios públicos Federal e do Estado, da Procuradoria da República em Jaú e da Polícia Federal de Bauru está cumprindo buscas e apreensões nas casas dos acusados e em escritórios de advocacia. Serão cumpridos 33 mandados de prisão, segundo a assessoria. A Justiça já determinou também a exoneração do delegado seccional de Jaú.

 

De acordo com o MPF, durante investigações foi descoberta a existência de quatro grupos criminosos desse ramo, contando com respaldo de policiais civis e um PM, desde 2006. O grupo de Jaú, que entregava e explorava as máquinas, era associado a outro, composto também por advogados, com base em Rio Claro, que importava as máquinas com as peças contrabandeadas.

 

"Os agentes públicos acusados se omitiam em seus atos de ofício de combater a prática dos ilícitos e, assim, aliaram-se à quadrilha, recebendo, em contrapartida, vantagens indevidas. Além disso, nas poucas operações de combate realizadas, não atuavam ou apreendiam as máquinas caça-níqueis de seus comparsas, assim como nos avisavam, previamente, dos locais das buscas, quebrando sigilo funcional e frustrando o trabalho policial", explica nota conjunta assinada pelo MPE e MPF.

 

Atualizado às 16h49 para acréscimo de informações.

 

(Com Agência Brasil)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.