Operadoras fecham acordo para coibir pedofilia em celulares

Um grupo de operadoras européias de telecomunicações fechou acordo nesta terça-feira, 6, para tentar proteger as crianças contra pedófilos, agressões e acesso a imagens violentas ou pornográficas quando usarem seus celulares. Deutsche Telekom, Vodafone, Orange, Telecom Italia e outras operadoras ajudarão a controlar o acesso a material adulto, apoiarão campanhas de conscientização e cooperarão com as autoridades no que diz respeito ao conteúdo ilegal. "O acordo é um passo importante para a segurança das crianças", disse Viviane Reding, comissária de Sociedade da Informação e Mídia da União Européia, que ajudou a intermediar o acordo. "Parabenizo o setor de telefonia móvel pelo avanço quanto à proteção dos menores. Isso demonstra que a auto-regulamentação responsável pode funcionar em nível europeu", afirmou ela em comunicado. Sob o acordo, os 23 fornecedores de conteúdo, operadoras e organizações signatários trabalharão para desenvolver códigos de auto-regulamentação em seus países até fevereiro do ano que vem. A Comissão considera que a auto-regulamentação seja uma maneira melhor de proteger crianças porque a probabilidade de que consiga acompanhar o ritmo cada vez mais intenso de uso dos celulares e a mudança dramática de tecnologia é superior ao que seria o caso sob um código público de regulamentação, cuja formulação e atualização seria lenta. Em países como Alemanha, Itália e Polônia, mais de 90% dos adolescentes têm celulares, e em países como Grécia, Letônia e Lituânia mais crianças usam celulares do que têm acesso à internet, de acordo com a Comissão. Os números geram exposição a novas ameaças. No Reino Unido, por exemplo, 14% das crianças sofreram agressões pelo telefone, e 10% receberam imagens desagradáveis, de acordo com um estudo britânico. As operadoras concordaram em ajudar os pais a determinar o nível de acesso das crianças ao conteúdo oferecido via celular, em oferecer informações de seguranças e em encorajar os pais a conversar com seus filhos sobre os riscos. Elas também começarão a classificar seu conteúdo em termos de adequação para menores. A assinatura do acordo é parte de um dia europeu de segurança na internet.

Agencia Estado,

06 Fevereiro 2007 | 16h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.